Última hora

Última hora

Israel bombardeia sede do governo do Hamas após convocar 75 mil reservistas

Em leitura:

Israel bombardeia sede do governo do Hamas após convocar 75 mil reservistas

Israel bombardeia sede do governo do Hamas após convocar 75 mil reservistas
Tamanho do texto Aa Aa

Os ataques israelitas sobre Gaza aumentaram de intensidade esta noite, depois de o governo ter convocado 75 mil reservistas do exército.

Uma convocação inédita, depois de 10 mil reservistas terem sido chamados durante o conflito de 2008 e 60 mil durante a segunda guerra do Líbano, num momento em que Israel poderia estar a preparar uma nova ofensiva terrestre.

Esta noite, os “drones” e os F-16 israelitas voltaram a sobrevoar o território palestiniano, tendo atacado 85 “alvos terroristas” na cidade de Gaza, assim como na zona de Rafah, junto à fronteira com o Egito e porta de entrada do armamento do Hamas.

A sede do governo do Hamas, assim como da polícia em Gaza terão sido destruídas por vários mísseis, horas depois de terem sido evacuadas.

Na quinta-feira, Israel tinha já destruído o edifício do ministério do Interior do Hamas durante um ataque noturno.

O presidente norte-americano Barack Obama renovou, esta noite, o apoio ao direito à autodefesa de Israel, durante uma conversa telefónica com o primeiro-ministro Benjamin Nethaniahu, tendo também pedido ao presidente egípcio, Mohamed Morsi, para que pressione o Hamas a pôr fim aos ataques sobre Israel.

Na sexta-feira, os rockets do movimento islamita tinham conseguido atingir os arredores de Jerusalém, um dia depois de Telavive, sem provocar danos nem vítimas.

Desde o início do conflito, na quarta-feira, que mais de 29 palestinianos e três israelitas morreram no fogo cruzado entre rockets e mísseis.

Fontes próximas do exército israelita sublinham que a ofensiva é antes de mais uma manobra de “dissuasão”, num momento em que o Hamas tem vindo a receber armas e equipamento iraniano graças à instabilidade na região egípcia do Sinai.

A escalada de violência ocorre a dois meses das legislativas israelitas e quando, quer o primeiro-ministro quer o ministro da Defesa, Ehud Barak, tentam reforçar o apoio e a popularidade dos respetivos partidos políticos.