Última hora

Última hora

Egito: mundo artístico e cultural junta-se a protestos contra Morsi

Em leitura:

Egito: mundo artístico e cultural junta-se a protestos contra Morsi

Tamanho do texto Aa Aa

O mundo da cultura e das artes no Egito juntou-se de forma unificada aos protestos contra o presidente na praça Tahrir do Cairo.

A decisão foi tomada na passada segunda-feira, num encontro que reuniu músicos, atores e representantes de associações culturais.

O ator Majed al-Masri explica que “respeitam o presidente e o seu partido, mas a Constituição deve ser aplicada pelo povo e não uma única pessoa, um único partido”.

O ator Ahmed Seyam diz que “Morsi não tem o direito de tomar uma decisão [como a deste decreto] sozinho, sobretudo na conjuntura atual, depois de ter sido eleito. Este tipo de decisão tem de ser tomada pelo povo que deu início à revolução”.

Numa declaração conjunta, artistas e representantes culturais frisaram que o decreto presidencial “é uma desilusão para o povo egípcio e ameaça o sonho de um Estado democrático moderno”.

Outra estrela egípcia afirma que Morsi “está a assumir o controlo de tudo, da legislatura, do poder executivo e judicial”.

O correspondente da euronews, Mohammed Shaikhibrahim, frisa que “as tendas dos manifestantes na praça Tahrir representam diversas classes da sociedade e diferentes forças políticas do Egito. Passamos pela tenda de uma atriz, outra de um jornalista e muitas outras, mas todas pedem ao presidente Morsi que não adote as mesmas políticas que Mubarak”.