Última hora

Última hora

Comissão Europeia baralha estatísticas com formação, estágios e oferta de emprego

Em leitura:

Comissão Europeia baralha estatísticas com formação, estágios e oferta de emprego

Tamanho do texto Aa Aa

Os comissários europeus balbuciam… mas os jovens a quem se dirigem sabem, melhor do ninguém, fazer contas. Saem das universidades sem perspetivas e tratam-nos como mão de obra de exportação em saldo – alvo da crítica dos europeus aos chineses nas últimas décadas.

A Europa não tem como fazer face à progressão do desemprego dos jovens e da exclusão da juventude, por mais estágios e garantias que proponha.

A Comissão europeia fez novas propostas aos Estados membros para lutar contra o flagelo. Uma das medidas visa tornar mais eficaz a mobilidade no mercado de trabalho da União Europeia.

László ANDOR, Comissário Europeu para o Emprego, Segurança Social e Inclusão:

“O nosso motor de busca de oferta de emprego, EURES, vai ser melhorado para propor oportunidades específicas de mobilidade para os jovens e também contratos de formação e estágios.
A Comissão deseja dar a possibilidade aos jovens europeus de trabalharem e estudarem nos outros Estados membros para maximizarem possibilidades de trabalho”.

A taxa de desemprego entre os jovens de 16 a 25 anos ultrapassa os 35% em Portugal, Espanha, Itália e Grécia, todos na zona euro.

A taxa de 25% a 35% engloba 11 países, entre os quais a França, segundo país da zona euro.

Abaixo dos 25%, estão oito países, como o Reino Unido,a Suécia e a Finlância.

Apenas quatro países entre os 27 da união Europeia estão abaixo da taxa de 15% de desemprego dos jovens, nomeadamente a Alemanha, a Áustria, a Holanda e a Dinamarca.

Para lutar contra estes níveis insustentáveis de desemprego na União Europeia, a Comissão Europeia recomenda aos 27 a criação de uma “Garantia para a Juventude” com o objetivo de os menores de 26 anos receberem uma oferta de qualidade de emprego ou uma formação profissional num prazo de quatro meses deposi do fim dos estudos. A recomendação não será obrigatória para os Estados, que podem contar com os fundos comunitários, como o Fundo Social Europeu, para financiamento.