Última hora

Última hora

Guardar água com um fecho éclair

Em leitura:

Guardar água com um fecho éclair

Tamanho do texto Aa Aa

“Aquilo que está a ver é um waterbag, feito num tecido de PVC flexível. Serve para transportar água doce, via marítima. Utilizamo-lo para abastecer de água potável as ilhas e as comunidades costeiras onde há escassez de água doce, no verão por exemplo.” É esta explicação, do engenheiro Samuele Ambrosetti, que introduz o projeto do consórcio Refresh, que decidiu testar o protótipo do waterbag, saco de água, em Creta.

A tecnologia não é propriamente nova, mas esta equipa desenvolveu uma outra abordagem. Segundo Gianfranco Germani, da Ziplast, “foi necessário produzir um fecho éclair especial, com resistência suficiente para aguentar a pressão lateral, impermeável, e sólido para suportar a pressão hidráulica que se pode gerar no interior do waterbag.”

O fecho éclair é, na verdade, um dos elementos-chave nesta nova geração de waterbags. O contentor é composto por vários módulos que permitem ajustar a capacidade às necessidades. O modelo foi concebido para ter componentes compactos, mais práticos para a navegação. Ambrosetti refere que os testes incidiram em protótipos “de tamanho médio. Pode comportar 200 metros cúbicos de água, o que é considerável. Mas pensamos que, na escala comercial, o waterbag poderá conter dez vezes mais, ou seja, 2 mil metros cúbicos.”

Este tipo de armazenamento e transporte de água acarreta baixos custos. O waterbag possui vários sensores para captar qualquer deformação durante o reboque. Depois de esvaziado, é fácil desinfetá-lo e guardá-lo. Os testes em Creta parecem ter sido produtivos, conclui Germani: “no fim, a operação de desmantelamento do waterbag acabou por ser simples graças ao sistema automático de relaxamento, isto é, quando se remove o dispositivo de bloqueio do fecho éclair. Basta a pressão interna, não é preciso intervirmos.”