Última hora

Última hora

Niemeyer: o génio que projetou curvas de mulher na arquitetura moderna

Em leitura:

Niemeyer: o génio que projetou curvas de mulher na arquitetura moderna

Tamanho do texto Aa Aa

“O importante é que o arquiteto faça o que ele gosta e não o que os outros gostariam que ele fizesse. Eu sigo esse caminho”. Oscar Niemeyer.

Niemeyer ia festejar 105 anos no próximo dia 15. Estava internado no Hospital Samaritano, onde morreu, desde dia 2, foi embalsamado na Santa Casa da Misericórdia de Inhaúma, no Rio, e foi transportado para Brasília. Um paradoxo, como tudo na vida deste homem, ícone da arquitetura mundial, admirador incansável das mulheres…e de Estaline.

Nestes últimos dias, ainda trabalhou em projetos no hospital, discutia-os com os médicos, não indagava sobre a própria saúde e mostrava querer viver.

Inspirava-se nas curvas da mulher e dos relevos do país para as ondulações de betão.

“As curvas da mulher têm um pouco da minha arquitetura, como tem das montanhas…enfim, tudo o que eu vi me interessou.” Niemeyer.

Concebeu a capital federal do Brasil, moderna e luminosa, mas afastou-a dos cidadãos. Como se o autoritarismo político fosse o destino da relação do poder dos representantes com os cidadãos.

“Nenhum dos imitadores de Niemeyer chegou aos pés dele, porque a sua arquitetura é inimitável. É uma arquitetura extremamente pessoal, não criou uma escola”.

O genial arquiteto ficou conhecido no início do século XX por ser o carioca que recusava usar estruturas de aço, comuns na arquitetura moderna.

A Catedral de Brasília, templo de oração projetado por um ateu militante, consegue a síntese perfeita entre o mundo horizontal e igualitário e o apelo ao divino, a memória cultural que as igrejas devem evocar (citaço de Reinaldo Azevedo, no aniversário dos 99 anos do génio).

A presidente Dilma Roussef, do Partido dos Trabalhadores, afirmou já que “poucos sonharam tão intensamente e fizeram tantas coisas acontecer como ele”.

Dilma referiu ainda que “nacionalista, tornou-se o mais cosmopolita dos brasileiros, com projetos presentes em todo o Brasil, nos Estados Unidos (projetou a sede da ONU), em Avilez, Espanha, onde projetou o Centro Internacional de Cultura, em França, na Alemanha, na Argélia, em Itália e em Israel, entre outros países. Autodeclarado pessimista, era um símbolo da esperança”.

  • Palacio da Alvorada - Brasilia (Brazil), opening in 1958
  • Copan - Sao Paulo (Brazil), opening in 1966
  • Metropolitan Cathedral - Brasilia (Brazil), opening in 1970
  • The Arnoldo Mondadori S.p.A. headquarters - Milan (Italy), opening in 1975
  • National Congress - Brasilia (Brazil), opening in 1987
  • Contemporary Art Museum (MAC) - Niteroi (Brazil), opening in 1996
  • Niemeyer Center - Avilies (Spain), opening in 2011
  • Niemeyer Museum - Curitiba (Brazil), opening in 2003

Selection of Oscar Niemeyer’s buildings