Última hora

Última hora

Depardieu: Óbelix entre os (exilados fiscais) belgas

Em leitura:

Depardieu: Óbelix entre os (exilados fiscais) belgas

Tamanho do texto Aa Aa

Óbelix entre os belgas ou um novo capítulo no debate sobre o aumento dos impostos para os milionários em França.

Desde sexta-feira, que o ator Gerard Depardieu é o novo residente de Néchin, na Bélgica, a apenas um quilómetro da fronteira francesa.

Uma mudança para uma localidade onde 24% dos habitantes são franceses, a maioria grandes fortunas que beneficiam de um imposto mais reduzido (50%) do que do outro lado da fronteira.

Daniel Senesael, o presidente da câmara confirma que, “Depardieu disse-nos que queria sair da cidade e estava à procura de um cenário mais bucólico e campestre. Mas claro que terá outras razões, essencialmente relacionadas com os impostos”.

O ator, que apoiou no passado a campanha às presidenciais de Nicolas Sarkozy, torna-se agora num novo argumento da direita contra a proposta do governo socialista de aplicar um imposto de 75% sobre os rendimentos superiores a um milhão de euros anuais.

O primeiro-ministro francês, Jean Marc-Ayrault, lembrou que, “aqueles que se exilam no estrangeiro, não são aqueles que têm medo de ficar pobres, mas aqueles querem ficar ainda mais ricos e acrescento, se queremos resolver o problema da pobreza e das desigualdades sociais é preciso fazer determinadas escolhas políticas”.

O ator torna-se assim na segunda figura pública francesa a mudar a residência para a Bélgica depois do patrão do grupo de luxo LMVH, Bernard Arnault, há alguns meses.

Um dirigente socialista propõe uma medida radical para combater a evasão fiscal: retirar a nacionalidade a todos os que, como Depardieu, decidam mudar-se para o estrangeiro para escapar aos impostos em França.