Última hora

Última hora

Egito: Nova Constituição aprovada leva povo para as ruas

Em leitura:

Egito: Nova Constituição aprovada leva povo para as ruas

Tamanho do texto Aa Aa

A vitória do “sim” no Referendo, que punha em discussão a revisão da Constituição do Egito, foi finalmente oficializada esta terça-feira. A proposta partiu do presidente Mohamed Morsi e contou com ajuda da Irmandade Muçulmana na redação do novo documento. O que gerou alguma controvérsia entre os críticos do atual executivo e a alguns confrontos entre as partes nas últimas semanas.

O Referendo deu voz ao povo, mas foi pouco concorrido. Apenas 32,9 por cento dos mais de 50 milhões de eleitores inscritos tomou posição nas urnas.

As primeiras estimativas divulgadas, provenientes da ala muçulmana, indicavam a vitória do “sim”. A oposição, por sua vez, por recear que a revisão da Constituição retire direitos às mulheres e a algumas minorias, levantou suspeitas sobre o Referendo.

As autoridades egípcias abriram uma investigação ao processo e o anúncio dos resultados foi adiado. Até esta terça-feira. “Não encontrámos qualquer evidência de que não houvesse um juiz em qualquer uma das assembleias de voto”, afirmou Samir Abul Maati, responsável máximo da Comissão Eleitoral Suprema.

A vitória do “sim” acabou mesmo confirmada com sessenta e quatro por cento dos votos a favor, assumindo-se como a terceira vitória eleitoral dos islamitas desde a destituição do ex-presidente Hosni Mubarak em fevereiro de 2011.

Dentro de dois meses, na sequência desta revisão aprovada, haverá eleições no Parlamento do Cairo, processo que a oposição ao presidente e à nova Constituição vai tentar aproveitar para ganhar força de atuação no país.

Após ter sido anunciada a vitória da nova Constituição, os egípcios saíram para a rua, em especial no Cairo. As primeiras reações internacionais também surgiram pouco depois dos resultados, com os Estados Unidos a apelar a Mohamed Morsi para que ponha fim às divisões no país e intensifique a defesa da democracia no Egito.