Última hora

Última hora

Israel: Coligação Netanyahu-Liberman perde terreno

Em leitura:

Israel: Coligação Netanyahu-Liberman perde terreno

Tamanho do texto Aa Aa

A acreditar nas sondagens, é quase certa a vitória da coligação Netanyahu-Lieberman nas eleições antecipadas de 22 de janeiro em Israel.

A aliança entre o Likud do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o Israel Beitnu do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Avigdor Lieberman, obterá 35 a 37 dos 120 lugares da Knesset, segundo os estudos de opinião mais recentes.

Mas quando foi formada, em outubro, a coligação com o partido ultranacionalista de Liberman obtinha 43 deputados, segundo as sondagens. Uma erosão nas intenções de voto do eleitorado tradicional de direita que fica a dever-se à entrada em cena de um novo ator: Naftali Bennett, antigo colono, milionário e ex-chefe de gabinete de Netanyahu, dirige o Bayit Yehudi, um partido que defende a anexação de uma parte da Cisjordânia ocupada. As sondagens colocam-no na segunda posição com possibilidade de eleger 18 deputados.

Netanyahu enfrenta também o desafio das forças do centro e da esquerda. A antiga ministra dos Negócios Estrangeiros, Tzipi Livni tem tentado, até agora sem sucesso, formar uma frente de centro-esquerda entre o seu partido Hatenuah, com o também centrista Yesh Atid, do jornalista Yair Lapid e o partido trabalhista. Em conjunto, poderiam obter mais de 40 lugares no parlamento, beneficiando do voto dos indecisos.

Mas a líder dos trabalhistas, a ex-jornalista Shelly Yachimovich tem recusado o acordo por discordar da estratégia de Livni, segundo a qual a coligação de centro esquerda, no caso de perder as eleições, estaria na disposição de entrar num governo dirigido por Netanyahu para impedir o acesso ao poder dos partidos religiosos e do Bayit Yehudi de Bennett.

Em Israel, os eleitores votam numa lista para o parlamento e o presidente incumbe, a seguir, o líder da lista mais votada de formar governo. Até hoje, nenhuma formação conseguiu sozinha conquistar a maioria nas eleições legislativas e o escrutínio de 22 de janeiro não será diferente.