Última hora

Última hora

Mali: França obtém apenas apoio logístico de parceiros europeus

Em leitura:

Mali: França obtém apenas apoio logístico de parceiros europeus

Tamanho do texto Aa Aa

Apenas apoio logístico, nomeadamente aviões militares de transporte, e ajuda médica e humanitária é o que Bélgica, Dinamarca, Alemanha e Reino Unido oferecem à missão militar francesa no Mali.

Batizada Serval, a missão vai ajudar este país africano no combate aos rebeldes islamistas que controlam o norte.

O ministro dos negócios estrangeiros da Bélgica,
Didier Reynders, defendeu um trabalho conjunto “não só apoiando a França, mas sobretudo a operação internacional que espero esteja no terreno o mais rapidamente possível.”

Tropas para combate estão também excluídas da missão militar da União Europeia, que apenas vai treinar as tropas do Mali, reafirmou a alta representante europeia para a Política Externa, Catherine Ashton.

“Queremos enviar a missão para o terreno assim que possível e certamente mais cedo do que o planeado porque as circunstâncias mudaram”, disse Ashton na sessão plenária do Parlamento Europeu, em Estrasburgo.

O eurodeputado do partido Verdes, Daniel Cohn-Bendit, questionou a chefe da diplomacia europeia sobre o alcance do compromisso europeu com o Mali.

“A senhora Ashton usou a expressão “nós estamos preocupados”. Toda a gente usa a palavra “nós”, mas a verdade é que só lá estão soldados franceses. Diz-se aos franceses que se enviam enfermeiras, mas eles que corram o risco de serem mortos no Mali”, ironizou o eurodeputado francês.

Além dos 2500 militares franceses enviados para o Mali, devem chegar em breve para operações de combate cerca de três mil militares de vários países africanos, que integram uma missão das Nações Unidas.