Última hora

Última hora

UE: Vendas de carros caem para mínimos de 17 anos

Em leitura:

UE: Vendas de carros caem para mínimos de 17 anos

Tamanho do texto Aa Aa

Há 17 anos que não se vendiam tão poucos carros na União Europeia (UE). Só em dezembro, as vendas recuaram mais de 16%, com os consumidores preocupados com os efeitos da crise.

Em Portugal, as vendas recuaram no ano passado 37,9%. Pior só a Grécia, segundo a Associação Europeia de Construtores Automóveis (ACEA).

O Reino Unido é uma exceção. No país as vendas subiram 5,3%, enquanto no resto da União a queda foi de 8,2%. Foram vendidos menos de 12 milhões de veículos. O recuo das vendas mantém-se há cinco anos, mas 2012 foi o pior ano desde 1993.

Do lado oposto estão as marcas de luxo, que se mostram imunes à crise.

Em 2012, as vendas da Bentley dispararam 22%, a Porsche e a Rolls-Royce registaram o melhor desempenho de sempre.

Mart Stover, diretor do Guggenheim Capital Markets, tenta explicar: “Os psicanalistas dizem que a casa é reflexo do que és e o carro é o que queres que outros pensem que és. Quando se compra um carro de luxo faz-se uma declaração pessoal”.

Símbolo de um estatuto, o segmente do luxo conta com o apetite dos consumidores dos mercados emergentes, enquanto as restantes marcas, face às fracas perspetivas para a Europa, multiplicam os planos de reestruturação.

A Renault é o último construtor a anunciar a supressão de 7500 empregos.