Última hora

Última hora

Argélia: Sobreviventes de In Amenas contam o terror que viveram

Em leitura:

Argélia: Sobreviventes de In Amenas contam o terror que viveram

Tamanho do texto Aa Aa

Na unidade de exploração de gás de In Amenas, na Argélia, havia trabalhadores de diversas nacionalidades. Da Grã-Bretanha à Noruega, passando pela Roménia, o Japão ou as Filipinas.

Para os que sobreviveram ficam memórias de terror e luta pela vida.

Um trabalhador romeno do complexo, conta como escapou aos agressores, fugiu e sobreviveu no deserto com outro companheiro.

“Eu e o meu colega entrámos no meu gabinete, fechámos a porta e escondemo-nos debaixo da secretária, completamente às escuras, à espera do que ia acontecer. Pudemos ouvir à nossa volta os tiros, o barulho e as pessoas a gritarem. Aconteceu tudo em três minutos. A diferença entre a vida e a morte foram três minutos”.

Um filipino, Joseph Balmaceda, que chegou ontem a Manila, foi capturado e serviu de alvo humano aos agressores. Apanhado no meio de uma explosão, ficou com estilhaços por todo o corpo e problemas de audição:

“Os terroristas ativaram o explosivo C4, dentro do nosso veículo. Eu consegui escapar e vi as forças governamentais ao longe, gesticulando para que me deitasse por terra e rebolasse até onde estavam. Considero isto como a minha terceira vida porque, mesmo quando estava a rastejar, os terroristas disparavam sobre mim”.

Balmaceda é um dos dois filipinos sequestrados no complexo de In Amenas.