Última hora

Última hora

Euronews nos confrontos de Port Said

Em leitura:

Euronews nos confrontos de Port Said

Euronews nos confrontos de Port Said
Tamanho do texto Aa Aa

Tensão ao rubro em Port Said onde uma noite de violência deixou um rasto de destruição e morte.

O repórter da euronews conseguiu entrar na cidade onde os jornalistas não correm risco de vida.

Durante a noite pelos menos 30 pessoas foram mortas e 300 ficaram feridas em confrontos com a polícia. O rastilho para tanta violência foi ateado pelas sentenças de morte contra 21 pessoas, apoiantes de um clube de futebol local, Al-Masry, consideradas responsáveis pelos distúrbios que em fevereiro de 2012 durante um jogo de que resultaram morte de 74 pessoas.

Mohammed Shaikhibrahim conta: “Estamos na entrada principal da cidade de Port Said, onde o exército egípcio controla todas as entradas. Nós temos dificuldades em entrar esta foi declarada zona militar”.

“Sem dúvida, eles atiram para matar pessoas. O objetivo é livrarem-se de toda a gente que estava do outro lado”.

Este manifestante diz: “Exigimos a independência, não queremos fazer parte de mais do Egito, queremos Port Said como um estado independente”.

Um grupo com armas automáticas tentou mesmo assaltar a penitenciária onde os réus estão encarcerados. Duas esquadras da polícia terão sido também tomadas por populares.

Também hoje, na vizinha cidade do Suez, continuaram a registar-se confrontos entre manifestantes e a polícia contra o presidente Mohamed Morsi. Sexta-feira morreram aqui nove pessoas.