Última hora

Última hora

Escândalo de corrupção em Espanha

Em leitura:

Escândalo de corrupção em Espanha

Tamanho do texto Aa Aa

Os dados da contabilidade de Álvaro Puerta e Luis Bárcenas, tesoureiros do PP espanhol, entre 1990 e 2009, refletem pagamentos periódicos à cúpula de dirigentes.

Centenas de indignados espanhois e pessoas em situação precária manifestaram-se em frente da sede do PP em Madrid.

Exigem respostas ao escândalo denunciado pelos Media espanhois desde meados de janeiro, que o El País provou com uma fatura de comissões pagas por empresas privadas a governantes espanhois.

O jornal El Mundo foi o primeiro a noticiar
alegadas práticas de subornos e desvios de verbas no partido.

O El País publicou depois uma série de informações que viria a provar que o ex-tesoureiro do partido, Luis Bárcenas, efetuou o pagamento de determinadas quantias de dinherio a vários dirigentes do partido popular nos anos de efervescência imobiliária.

Chegaram a transitar 22 milhões de euros por uma conta na Suíça em nome de Bárcenas, que deixou de ser tesoureiro precisamente por se ter envolvido num escândalo de financiamento ilegal.

Esta autêntica bomba relógio acaba de explodir em plena crise de confiança dos espanhois em relação aos responsáveis políticos.

A oposição exige respostas imediatas.

Mariano Rajoy ordenou uma auditoria externa sobre as contas do partido, a que preside desde 2004, e disse que “não lhe tremeria a mão” no caso de se descobrir que tinham sido feitos pagamentos irregulares a alguns funcionários ou responsáveis partidários.

“Alguns membros do PP foram expulsos por condutas inadequadas. Posso apenas responder pelos membros atuais do partido e não vacilarei, serei inflexível”, acrescentou.
l

No entanto, Rajoy é acusado de receber pagamentos trimestrais e semestrais durante mais de uma década…

Os últimos documentos publicados revelam ainda doações de construtores civis à estrutura partidria em troca de contratos pblicos nos anos 2000.

Para além deste escândalo, todo o sistema de financiamento dos partidos polticos espanhois está em causa. A lei é opaca e as contas não são tornadas públicas.