Última hora

Em leitura:

Monsenhor Philippe Barbarin: "O sucessor do Papa deve ser sólido"


França

Monsenhor Philippe Barbarin: "O sucessor do Papa deve ser sólido"

Face à surpresa da demissão do Papa, fomos ouvir o arcebispo de Lyon, Monsenhor Philippe Barbarin, um dos 118 cardeais que serão chamados a eleger o sucessor de Bento XVI.

Para Monsenhor Barbarin, O Papa demissionário é um “gigante” e o próximo sucessor de Pedro deve ser uma “pessoa sólida”.

Mas como recebeu este homem a notícia?

Depois da surpresa, a admiração, porque penso que é um ato de grande liberdade. Ele sempre se sentiu livre em relação à sua missão e à forma de a exercer e sentiu-se livre de a deixar.

É também um ato de humildade, muito significativo, porque, muitas vezes, as pessoas agarram-se ao poder, enquanto ele nada fez para ser Papa. E como ele pensa que não tem já todas as capacidades para exercer as funções, disse que é melhor sair, o que é bonito e muito útil.

Penso que Bento XVI deixará aquilo que ele é verdadeiramente, ou seja, um grande teólogo, um excelente pedagogo, que ensinou muito bem a fé e que nos trouxe muito nas suas encíclicas, nos ensinamentos e nas homilias e, ao mesmo tempo, fê-lo com imensa discrição porque não tem o mesmo temperamento de João Paulo II. E as grandes instituições de João Paulo II, como as Jornadas Mundias da Juventude, não estavam na sua psicologia, mas adaptou-se muito bem.

Euronews: Que perfil deve ter, para si, o novo Papa?

Desejo, em primeiro, que o seu sucessor seja um Santo, depois que tenha uma boa cabeça. E depois uma qualidade muito importante, que seja sólido, porque um Papa é o sucessor de Pedro, sobre o qual se alicerça tudo. Por isso, convém que o edifício se aguente, que tenha uma pedra sólida.

Euronews: O senhor poderia suceder a Bento XVI?

Sim, pode ser muita gente. Nós somos poucos eleitores, mas muitos elegíveis. Pode-se perfeitamente eleger alguém que não seja cardeal. É uma eleição estranha: com uma frequência muito irregular, sem campanha, sem candidatos, com poucos eleitores e muitos elegíveis. Dito isto, para mim, pessoalmente, penso que será improvável, por isso vejo oito a dez de entre nós a quem poderia dar o meu voto.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Coreia do Norte volta a desafiar o mundo com teste nuclear