Última hora

Última hora

"O próximo Papa vai continuar a encontrar grandes problemas"

Em leitura:

"O próximo Papa vai continuar a encontrar grandes problemas"

Tamanho do texto Aa Aa

Estivemos à conversa com o padre Federico Lombardi, porta-voz da Santa Sé e diretor da Rádio Vaticano. A renúncia do Papa Bento XVI é um momento histórico quase sem precedentes e que surpreendeu quase toda a gente. 
 
Manuel Scarpellini, Euronews: Vê a decisão do Papa como sendo moderna, um ato corajoso ou apenas uma renúncia?
 
Pe. Federico Lombardi, Santa Sé: Certamente nós precisamos de falar sobre a renúncia do ministério papal, uma possibilidade prevista no direito canónico, por isso não impossível. É uma decisão que mostra uma grande coragem porque não é feita há séculos e mostra uma grande humildade e lucidez na avaliação da sua força porque o motivo da resignação é claro, a sua própria avaliação de que a sua saúde está em declínio e a fragilidade maior devido à idade avançada. Não nos podemos esquecer que ele tem 86 anos e um grande peso das exigências de um governo da igreja universal. Acho que é uma decisão exemplar e muito lúcida que eu muito admiro”.
 
Euronews: Há ainda muitas perguntas por responder – por exemplo que influências tiveram os escândalos de pedofilia, o banco do Vaticano e a fuga de documentos pessoas?
 
Pe. Federico Lombardi, Santa Sé: Ele tomou pessoalmente essa decisão, depois de pesar a consciência perante Deus, sobre a sua força e capacidades. Não nada mais profundo do que isso. Mas claro, houve problemas, mas problemas existem sempre. Bento XVI é um realista. Ele sabe que a história não é fácil e eu acho que o próximo Papa vai continuar a encontrar grandes problemas. O caminho em frente nunca vai se fácil. Por isso não é um problema ou outro que está por detrás desta decisão. Essa suposição leva a uma conclusão errada.
 
Euronews: As pessoas perguntam porquê agora?
 
Pe. Federico Lombardi, Santa Sé: Poderia dizer, por exemplo, que as grandes viagens ao México e a Cuba em março do ano passado deram-lhe uma oportunidade para testar a sua força. Ele portou-se muito bem, mas depois reavaliou a capacidade para lidar com compromissos idênticos”
 
Euronews: Com a crise na Europa e incertezas políticas – não só em Itália – acha que a decisão é mais problema a somar a tantos outros?
 
Pe. Federico Lombardi, Santa Sé: Para os que conhecem a igreja e têm a visão correta da realidade sobre como as coisas funcionam, esta mudança de Papa é algo natural que aconteceu durante a história. Não é apenas uma pessoa que precisa de guiar a igreja mas o Ministério, o serviço do sucessor de S. Pedro.
 
Euronews: Um Papa com mais de dois milhões e seiscentos mil seguidores no Twitter decidiu fazer o anúncio histórico em Latim. Como explica esta dualidade?
 
Pe. Federico Lombardi, Santa Sé: O Papa é uma pessoa muito inteligente, ciente dos problemas de hoje e da cultura no Mundo. Ele tomou a devida atenção no desenvolvimento das comunicações e novas tecnologias. Este anúncio, formal com o peso da legalidade, foi histórico em frente ao colégio dos Cardeais com todos os cardeais em Roma presentes e por isso ele fez de uma maneira correta e única.