Última hora

Última hora

Comerciantes de Lyon com medo dos grupos neonazis

Em leitura:

Comerciantes de Lyon com medo dos grupos neonazis

Tamanho do texto Aa Aa

Os adeptos ingleses fizeram uma festa bem regada, como é hábito, durante todo o dia nas ruas de Lyon, antes do jogo da Liga Europa entre o Olympique Lyonnais e o Tottenham Hotspur, indiferentes ao ataque a um grupo de adeptos, na noite anterior, por parte de alegados neonazis.

Os comerciantes do bairro de St. Jean em Vieux Lyon, o coração histórico da cidade, têm cada vez mais medo do grupo de extrema-direita “Bloco Identitário” que se instalou na zona: “Pelo que sabemos, entre os três detidos há uma pessoa que pertence ao movimento identitário, segundo os termos do Prefeito de Polícia. O que significa que pode haver uma motivação política por detrás destes atos, mas é cedo para dizer qual. Depois, há o problema do hooliganismo no futebol, já que há elementos da extrema-direita radical nas claques do Olympique Lyonnais”, explica Laurent Burlet, jornalista no site Rue 89.

O grupo, que abriu um chamado centro social no bairro, é acusado de aterrorizar os comerciantes, sobreudo os estrangeiros. Os dirigentes negam o envolvimento nos incidentes no Smoking Dog e dizem que se tratou de um mero ato de hooliganismo. Mas isso não convence quem já sofreu com os ataques: “Eles estão aqui para ocupar o território e não para proteger o bairro, como dizem. Eles não escondem a cara, toda a gente os conhece e os reconhece. Já os temos visto fazer saudações nazis”, diz um comerciante que já foi vítima de elementos do grupo.

O dono de um restaurante, também vítima de um ataque, explica: “Outros comerciantes foram vítimas de estragos, aqui no bairro de St. Jean. Toda a gente, os idosos, as mulheres, os artesãos, os profissionais liberais, toda a gente aqui no bairro sabe que St. Jean pertence aos identitários”.

A poucos metros do Smoking Dog, o clube “Traboule” serve de bar, centro desportivo e biblioteca aos membros do Bloco Identitário.

Embora este não tenha sido o primeiro incidente, o facto de ter sido contra turistas estrangeiros parece ter acordado as autoridades, a julgar pelo aumento da presença policial durante a tarde, a contrastar com a lentidão da resposta na noite dos desacatos.

O Tottenham Hotspur é um clube conotado com a comunidade judaica de Londres, pelo que o ataque pode também ter tido motivações antissemitas.