Última hora

Última hora

Rajoy faz "Estado da Nação" em clima pesado

Em leitura:

Rajoy faz "Estado da Nação" em clima pesado

Tamanho do texto Aa Aa

Pela primeira vez em 14 meses de governo, Mariano Rajoy fez um discurso do Estado da Nação no parlamento espanhol. Isto numa altura em que “austeridade” e “corrupção” são as palavras mais na boca do povo.

O apertar do cinto parece estar para durar: “Não prometemos nenhuma primavera antecipada. O clima social e económico do nosso país, atualmente, é muito duro e é com base nele que atuamos. A ação do governo ainda agora começou e o caminho para atingir o grande objetivo desta legislatura, a criação de emprego, é longo e duro. Não pode haver um minuto de descanso”, disse, no discurso, o primeiro-ministro.

A oposição, liderada pelo PSOE, aponta o governo de Rajoy como culpado pelos números históricos do desemprego: “Há seis milhões de pessoas sem emprego, mas há mais: um quinto dos espanhóis está em risco de pobreza, fecharam 33 mil empresas durante o ano de 2012, oito milhões de pensionistas têm, pela primeira vez, de pagar os medicamentos que usam e milhões de cidadãos deixaram de acreditar na política. Este é o verdadeiro estado da Nação em fevereiro de 2013”, disse o líder do PSOE, Alfredo Pérez Rubalcaba.

Para a revolta dos espanhóis, a juntar à austeridade há os escândalos de corrupção. Escândalos que agora têm uma cara: A de Luis Bárcenas, o ex-tesoureiro do Partido Popular, acusado de ter pago a vários dirigentes, incluindo Rajoy, dinheiro de um saco azul.

O primeiro-ministro rejeita ter culpas no cartório: “A corrupção é um problema que alarma o povo e afeta a imagem de Espanha. Toda a corrupção é insuportável. é corrosiva para o espírito cívico, fere a democracia e desacredita a Espanha. O governo vai propor ao parlamento uma lei para o controlo das atividades económicas e financeiras dos partidos políticos”, disse Rajoy.

Euronews: Para compreender melhor o momento difícil que a Espanha está a passar, temos connosco Inaki Gabilondo, figura histórica do jornalismo espanhol.

Como pensa que Rajoy está a enfrentar a tempestade provocada pelos casos de corrupção que atingiram o seu partido, o PP?

Inaki Gabilondo: Penso que ele está a fazer de tudo para se esquivar e não enfrentar o problema. Rajoy sempre acreditou que o tempo está do seu lado, evitando assim envolver-se nas coisas precipitadamente. Ele não mencionou Bárcenas, o tesoureiro do Partido Popular,e ao fazê-lo, comportou-se de modo infantil, tentado com isso, que o problema Bárcenas desaparecesse. Na minha opinião, o facto de ele não mencionar isso, evitando, constantemente o assunto, parece ser a prova irrefutável de que ele não está ver o problema da corrupção de modo claro. Ele está, simplesmente, a tentar resolver os problemas empurrando-os com a barriga.

e: Acredita que o discurso de Rajoy sobre o combate à corrupção é suficiente para apaziguar a ira dos espanhóis?

IG: Mariano Rajoy tem um grande problema de credibilidade. Ele goza do apoio das instituições europeias, que acreditam nele. O Banco Central Europeu, Angela Merkel, o Bundesbank, todos acreditam nele, contudo os espanhóis não pois ele falhou, sistematicamente, todas as promessas feitas. É essa a batalha que ele enfrenta e é muito difícil fazer previsões pois ainda não realizamos nenhuma sondagem. Parece-me improvável que o anúncio de Rajoy para combater a corrupção, provoque mudanças na opinião que a sociedade espanhola tem dele. Desconfiam dessas promessas.

e: O desemprego continuou a crescer em Espanha desde que Rajoy assumiu a presidência do governo. Até quando continuará a culpar a herança socialista, por isso?

IG: Não acredito que continue a culpar essa herança pois a partir de agora, creio que Rajoy está a contar que os sinais comecem a jogar a seu favor. O problema é que, para Rajoy, o estado da nação é o estado das contas do estado e sublinha a realidade nacional através de estatísticas e gráficos e não a partir da perspetiva do sofrimento da sociedade espanhola. O desemprego, para ele, é uma realidade desconfortável mas não vê isso como algo dramático. O pior é que não o vemos tomar nenhuma ação positiva, tomando iniciativas que nos permitam saber onde é que a Espanha vai encontrar o crescimento, ou qual é o caminho que a Espanha deve tomar para crescer, quais são as áreas que vão fornecer a riqueza para resgatar a Espanha desta situação.

e: Enquanto jornalista tem testemunhado a história espanhola desde a transição… Em que momento crê que está o país?

IG: A Espanha é como um edifício que foi comido pelas térmitas. A Espanha é um país que fez um esforço enorme num curto período de tempo, que realizou uma transformação colossal, mas as costuras estão a ceder. É como uma pequena camisa que foi vestida por um menino que continua a crescer. Temos problemas com a credibilidade dos políticos, que são vistos, pela sociedade, com grande desconfiança. Temos problemas com a imagem da liderança do Estado e da coroa, tal como com a imagem da justiça. Temos problemas com a imagem dos líderes empresariais, sindicais e dos “media”. Há uma corrente de pensamento, generalizada, de que estamos a chegar ao fim de uma era e que devemos estar preparados para enfrentar uma nova. Temos de criar outro pacto social, um novo pacto social entre a sociedade e a política. Mas tem de ser feito pelos políticos e não por um homem ou mulher milagrosos que surjam do nada.