Última hora

Última hora

Eleições italianas: depois dos tecnocratas o caos?

Em leitura:

Eleições italianas: depois dos tecnocratas o caos?

Tamanho do texto Aa Aa

A Itália vai amanhã e segunda feira às urnas para eleger um novo parlamento e um novo senado, assim como o executivo que deverá pôr fim a um ano e quatro meses de governo tecnocrático.

Um sufrágio marcado pela revolta contra as medidas de austeridade do governo cessante de Mario Monti, que, apesar da expetativas iniciais, parece mais longe do que nunca de permanecer no lugar do primeiro-ministro.

Monti não exclui a possibilidade de se aliar a um governo de centro-esquerda, quando as sondagens apontam para uma vitória quase certa do Partido Democrata de Pier Luigi Bersani, que encerrou ontem a campanha em Roma, ao lado do realizador Nanni Moretti.

Mas o escândalo das perdas milionárias do banco Monti di Paschi marcou uma viragem nas campanhas de Monti e Bersani, dando asas ao terceiro homem do escrutínio, Beppe Grillo e ao discurso anti-corrupção e anti-euro do seu movimento “cinco estrelas”.

Grillo reuniu ontem em Roma mais de 500 mil pessoas no final da sua tournée “tsunami” ao longo do país.

Mas se o centro-esquerda parece ter uma vitória assegurada no parlamento, é a batalha das eleições para o senado que concentra as energias do partido de Silvio Berlusconi, oficiosamente candidato.

O partido povo da liberdade conta renovar a aliança com os populistas da Liga Norte para tentar arrebatar a câmara alta do parlamento, o que poderia ameaçar a estabilidade do próximo governo.

Duas regiões italianas são vistas como decisivas no sufrágio, Nápoles e Lombardia, esta última um bastião da Liga Norte de Roberto Maroni.

A abstenção é o terceiro elemento decisivo, num momento em que muitos analistas sublinham a desilusão generalizada dos italianos com a atual classe política.