Última hora

Última hora

Ecologistas abordam baleeiros japoneses na Antártida

Em leitura:

Ecologistas abordam baleeiros japoneses na Antártida

Tamanho do texto Aa Aa

A abordagem de um navio baleeiro japonês por uma embarcação de ecologistas irrita Tóquio, que condenou, hoje, o que considerou ser uma ação, “de sabotagem”, afirmando que, “o país vai prosseguir a caça à baleia”.

As autoridades japonesas acusam os militantes da associação Sea Sheppard de terem igualmente lançado vários cabos para bloquear a hélice de outro navio baleeiro.

A abordagem nas águas da Antártida durante mais de 5 horas, faz parte de uma campanha, batizada “tolerância zero” em que participam quatro embarcações e 120 militantes do grupo ecologista.

Para Bob Brown, diretor da “Sea Sheppard”, na Austrália, “Tóquio está a ignorar a decisão do tribunal federal da Austrália que proibiu a pesca da baleia nesta zona protegida da Antártida. O problema é que o governo australiano não está a apoiar a decisão dos tribunais com uma operação de patrulhamento das águas para evitar esta pesca ilegal por parte dos japoneses”.

Desde 1987, que o Japão prossegue a pesca a este cetáceo, proibida internacionalmente, ao abrigo de uma cláusula que permite a “captura para fins científicos”, mesmo que as carcaças de baleia terminem nos mercados do país.

A violenta abordagem dos ativistas ocorre depois de um tribunal norte-americano ter condenado a “Sea Sheppard” a manter uma distância de 500 metros dos navios japoneses.

Vários países tinham apelado aos ativistas para evitarem as ações violentas do passado, das abordagens relâmpago ao lançamento de ácido corrosivo ou o acorrentamento de ecologistas a baleeiros japoneses.