Última hora

Última hora

Teólogo alemão defende urgente "reforma da Cúria" pelo futuro Papa

Em leitura:

Teólogo alemão defende urgente "reforma da Cúria" pelo futuro Papa

Tamanho do texto Aa Aa

Alegados abusos sexuais cometidos pelo cardeal Keith O’Brien levaram ao seu afastamento da liderança da Igreja Católica da Escócia, poucos dias antes do conclave para a escolha do próximo papa.

Um episódio que reavivou a polémica da pedofilia que abala há mais de uma década a Igreja Católica e a que se juntou, em 2012, o escândalo conhecido por Vatileaks.

Neste escândalo, o mordomo de Bento XVI teve destaque como um dos autores da fuga de documentos, tais como cartas e relatórios, sobre encobrimento dos abusos sexuais, corrupção, branqueamento de capitais e lutas de poder no Vaticano.

Temas que deverão ser discutidos pelos cardeais antes da eleição de um novo Papa, após a resignação de Bento XVI, a 13 de Fevereiro, como líder espiritual dos 1200 milhões de católicos do mundo.

O correspondente da euronews em Bruxelas, Rudolph Herbert, entrevistou Hans Küng, professor, teólogo e autor alemão que é um dos mais famosos críticos do atual rumo da Igreja Católica.

Sobre as prioridades do próximo Papa, o teólogo disse que o mais importante “é saber se é competente e capaz de tirar a Igreja da profunda crise em que se encontra; e se tem a força, independência e coragem para o fazer. É algo muito difícil porque todos os bispos foram escolhidos pelo anterior Papa polaco, por forma a seguirem uma linha de fundo: ser contra a ordenação de mulheres, ser contra a contracepção, ser a favor da lei do celibato”.

Sobre as reformas que deve levar a cabo, Hans Küng diz que “o mais importante será uma reforma da Cúria, que governa o Vaticano e que tem tradições medievais, barrocas, ultrapassadas. Precisamos de uma sede para a nossa igreja, de uma administração central, que é eficaz e chefiada por homens competentes e, possivelmente, também com a participação de mulheres”.