Última hora

Última hora

Justiça italiana reduz pena do antigo presidente da ThyssenKrupp

Em leitura:

Justiça italiana reduz pena do antigo presidente da ThyssenKrupp

Tamanho do texto Aa Aa

Os familiares dos trabalhadores que morreram na fábrica de aço da ThyssenKrupp em 2007, em Itália, não se conformam com a decisão da justiça.

Esta quinta-feira, a Audiência de Turim declarou o então presidente da empresa culpado de homicídio involuntário reduzindo em seis anos e meio a pena a que foi condenado em 2011.

A defesa de Harald Espenhahn já fez saber que vai apresentar recurso.

Cinco outros responsáveis da empresa condenados em 2011 a penas entre os 10 e os 13 anos viram reduzida a pena máxima para nove anos de cadeia.

O acidente ocorreu a 6 de dezembro de 2007, altura em que um tanque de óleo que servia para arrefecer as chapas de aço rebentou. De acordo com os trabalhadores da empresa os extintores não funcionaram e acusaram a administração de negligenciar as condições de segurança. Sete pessoas morreram. O caso abriu um debate, sem precedentes, sobre as condições laborais em Itália.