Última hora

Última hora

Manter o diálogo inter-confessional

Em leitura:

Manter o diálogo inter-confessional

Tamanho do texto Aa Aa

As outras religiões seguem com atenção, este momento delicado, da Igreja Católica.

Tanto muçulmanos como hebraicos mandaram altos representantes ao Vaticano, para acompanharem de perto o fim do pontificado de Bento XVI.

O diálogo entre as três grandes religiões deve continuar – é um desejo comum.

Em declarações à euronews, o representante muçulmano, em Roma manifestou o desejo de uma comunhão, em defesa dos grandes valores.

“Penso que a nossa esperança é ver as comunidades de crentes juntas, na busca de soluções para os problemas do mundo e, especialmente, para evitar as guerras religiosas. É necessário, acima de tudo, encontrar um ponto comum para trabalhar, à volta dos valores universais, que todos os crentes reconhecem”.

Na linha do seu antecessor, Bento XVI previlegiou o diálogo com as outras confissões, defendendo que a comunhão da fé poderia evitar conflitos. E levou esse espírito ao Médio Oriente.

O chefe Rabi, em Roma, assistiu às cerimónias dos últimos dias, no Vaticano. Também ele deseja a manutenção do diálogo e da cooperação, por parte do futuro Papa:

“Este Papa, como o seu antecessor, mostrou qual é o caminho a seguir. A sua orientação foi no sentido do diálogo e do respeito, pelo hebraísmo. O nosso desejo, agora, não é voltar para trás, depois de termos chegado até aqui”.

Uma sucessão a suscitar muitas expectivas, em todo o Mundo. Judeus e muçulmanos querem continuar o diálogo com a Igreja de Roma.