Última hora

Última hora

Kandinsky: Bozar expõe obras emblemáticas do génio da arte abstrata

Em leitura:

Kandinsky: Bozar expõe obras emblemáticas do génio da arte abstrata

Tamanho do texto Aa Aa

Uma exposição do pintor russo Wassily Kandinsky, fundador da arte abstrata, abre as portas dia 12 de Março, no Bozar, em Bruxelas. Impressões de lugares, mitos e contos de fadas, literatura e música forneceram a inspiração a este nome marcante da pintura do século XX.

Evgenia Petrova, curadora da exposição, explica que “sempre que a pintura, a arte, expressa um sentimento, uma emoção, consegue captar a atenção do público. Kandinsky expresssava emoções muito fortes nos seus quadros e talvez seja por isso que se tornou tão popular”.

Os quatro núcleos, com trabalhos de 1901 a 1922, abragem mais de 150 obras, que estarão patentes até 30 de Junho.

Um das influências claramente identificável é a da cultura xamã, já que o pai de Kandinsky tinha raízes na Sibéria e na Mongólia. Mas além da arte popular e religiosa russa, o pintor foi também marcado pelos anos passados na Ucrânia, Alemanha e França.

“Como viajava muito e viveu em diversos países europeus, tornou-se uma figura de charneira entre a vanguarda ocidental e a vanguarda russa. Ele abriu um caminho para a arte abstrata. Foi um artista muito importante para a sua geração, mas também para aqueles que vieram depois”, refere Isabelle Vanhoonacker, da equipa do Bozar.

Entre os artistas influenciados por Kandinsky encontramos Larionov , Goncharova e Malevich. Este último criaria o movimento avant-garde Suprematisto, focado nas figuras geométricas. Mas Kandinsky também influenciou muito a corrente simbolista.

“Para se entender um artista é aconselhável conhecer o contexto em que ele viveu e no qual desenvoveu o seu trabalho. As cartas e os catálogos das exposições que ainda existem permitem acompanhar melhor a sua evolução. Mas além desse legado, tal é possível também como este tipo de exposição, que apresenta trabalhos dos colegas”, acrescenta Evgenia Petrova.

A correspondente da euronews em Bruxelas, Natalia Richardson-Vikulina, refere que “esta é a segunda exposição de Kandinsky na Bélgica, depois da que teve lugar há 100 anos e não foi muito bem sucedida. Os belgas apreciaram os quadros com paisagens, mas não os trabalhos mais abstratos. Os especialistas dizem que desta vez é provável que o público seja mais unânime”.