Última hora

Última hora

Espanha: Princípio de acordo entre sindicatos e Iberia não satisfaz todos

Em leitura:

Espanha: Princípio de acordo entre sindicatos e Iberia não satisfaz todos

Tamanho do texto Aa Aa

Não foi bem recebido por uma boa parte dos trabalhadores o princípio de acordo alcançado esta segunda-feira entre os vários sindicatos envolvidos e a administração da Iberia sobre os iminentes cortes de pessoal na companhia aérea.

A nova proposta partiu do mediador independente no conflito e prevê, além de uma maior indemnização a cada um dos despedidos, uma redução de mais de 600 trabalhadores nos cerca de 3800 que a IAG, empresa que detém em conjunto a Iberia e a British Airways, pretende dispensar face à reestruturação da companhia espanhola. Para muitos, esta redução não chega.

“Foram ouvidos os diferentes sindicatos e a proposta recebeu um apoio generalizado. Alguns discordam, claro, e outros estão ainda a refletir sobre o que foi apresentado”, explicou, à saída da reunião desta segunda-feira, o mediador independente do conflito, Gregorio Tudela.

As reuniões entre os cerca de 10 sindicatos envolvidos e a administração da Iberia prosseguem na quarta-feira, dia para o qual está prevista nova greve pelos trabalhadores de terra e voo da companhia aérea espanhola. Uma suspensão desta nova paralisação e possível, admite Francisco Rodriguez, representante da UGT espanhola: “Se os sindicatos estiverem de acordo na quarta-feira, suspendemos a greve. Se não, a Iberia vai despedir os trabalhadores e nós mantemos a luta.”

Pilotos, assistentes de bordo e pessoal de terra fizeram 10 dias de greve, nas três últimas semanas. E ameaçam, desde já, parar de novo na Páscoa, período sempre crítico nos aeroportos espanhóis.

Estima-se que a IAG, a empresa que adquiriu a Iberia, perca cerca de três milhões de euros por cada dia de greve dos trabalhadores.

A luta dos trabalhadores de terra e ar faz-se sentir este mês também em Portugal. Na TAP está marcada uma paralisação de 21 a 23 de março, que deverá ter 100 por cento de adesão face à junção no protesto de todos os 12 sindicatos que representam os trabalhadores da companhia portuguesa.