Última hora

Última hora

Papa Francisco recusa carro oficial após ser eleito

Em leitura:

Papa Francisco recusa carro oficial após ser eleito

Tamanho do texto Aa Aa

Na primeira manhã do cardeal Jorge Bergoglio como Papa Francisco, a Praça de São Pedro, no Vaticano, acordou com sol. Ali perto, na embaixada argentina na Santa Sé, a euronews encontrou Efrain Escumendosa, funcionário da representação diplomática sul-americana, que teve oportunidade de se cruzar com o novo Papa quando ele ali antes se dirigia.

“Sempre que ele chegava aqui (à embaixada), parecia um santo, humilde. Ele nunca pedia grandes coisas. Sempre foi muito respeitoso. Desde as crianças aos adultos, sempre respeitou todos”, afirmou Escumendosa.

O propósito da euronews era ouvir uma reação do embaixador argentino sobre a escolha do arcebispo de Buenos Aires para liderar a Igreja Católica. Não foi possível. Falámos ainda assim como motorista do embaixador, que nos revelou uma das primeiras decisões do novo Papa, ainda na noite da eleição.

“Quando voltámos para a residência de Santa Marta, depois do conclave, ele preferiu seguir na carrinha. Não quis ir no carro oficial.
Foi com os outros cardeais”, contou-nos o motorista, que, antes de deixar um pouco à pressa a embaixada, ainda teve tempo de descrever o novo Papa como “um santo que caminha (entre os homens)”.

Simona Volta, uma das enviadas especiais da euronews ao Vaticano, sublinha-nos que “aqueles que conhecem o novo Papa, descrevem-no como uma pessoa muito simples e humilde”. “Vamos ver qual será o primeiro passo do agora Papa Francisco, o antigo cardeal Bergoglio”, questiona, a terminar.