Última hora

Última hora

Reações à eleição do Papa Francisco

Em leitura:

Reações à eleição do Papa Francisco

Tamanho do texto Aa Aa

Por todo o mundo se registam as mais diferentes reações à eleição, de certa forma surpreendente, do Papa Francisco,
oriundo da Argentina.

Nas Filipinas, o maior país asiático católico, onde a Igreja continua a exercer uma forte influência sobre a traz do país e onde o divórcio e o aborto são proibidos, a eleição de Francisco traz esperança.

“Ele vivia uma vida simples e é humilde. Parece ter tudo o que é necessário para fazer um bom trabalho”, disse uma crente.

Na Nigéria a eleição do primeiro Papa não europeu que adotou o nome de um santo que renunciou à fortuna para seguir uma vida de pobreza, também foi festejada entre os católicos.

“Sempre foi um italiano. Da Itália partiram para a Europa e esperava que desta vez fosse um latino-americano porque ‘e uma Igreja mais antiga. Estou certo que depois deste será um africano”, afirmou um católico de Lagos.

Na África do Sul segundo o padre Russell Pollitt, terá existido alguma frustração coma a escolha de um Papa não africano, mas as pessoas ir-se-ão habituando,

“Acho fantástico ter uma Papa do Hemisfério Sul e creio que há muita gente que pensa como eu. A Igreja está claramente a crescer no Hemisfério Sul, especialmente na América Latina em África e na Ásia. Acho assim que é entusiasmante termos um Papa que trará novas perspetivas à mentalidade europeia que existia antes, que permitirá talvez ver o mundo de uma forma ligeiramente diferente”, sublinhou.

Na Venezuela, a reação do presidente interino, Nicolas Maduro
foi, no mínimo, original:

“Sabemos que o nosso Comandante ascendeu às alturas e está frente a frente com Cristo.
Alguma coisa teve influência na eleição de um Papa sul-americano. Alguma nova mão chegou e Cristo disse-lhe: Chegou a hora da América do Sul”, afirmou Maduro.