Última hora

Última hora

Pouco ou nada mudou em 10 anos de Iraque sem Saddam Hussein

Em leitura:

Pouco ou nada mudou em 10 anos de Iraque sem Saddam Hussein

Tamanho do texto Aa Aa

10 anos depois da invasão do Iraque liderada pelas forças norte-americanas, o país continua à espera de mudanças significativas. No centro de Bagdad, as aparências iludem. A capital parece uma cidade como tantas outras metrópoles do mundo inteiro, mas a falta de infraestruturas e a insegurança continuam a fazer-se sentir.

“Sinceramente, está tudo na mesma. Tudo o que queremos é segurança. As coisas não estão mal, mas precisamos de segurança para os nossos filhos. A situação muda de vez em quando. Por vezes as coisas estão calmas e pensamos que está tudo bem, mas outras vezes sentimos a falta de segurança”, diz Baira Ta’ar, mãe de um rapaz de quatro anos.

A queda do regime de Saddam Hussein permitiu a abertura do país aos grandes centros comerciais e às marcas de luxo. Bens de consumo que deviam refletir o nível de vida da população, mas que acabam por ser mais um elemento de fachada devido às condições de vida de grande parte dos iraquianos.

“Nada mudou. As coisas vão de mal a pior. Está em Bagdade pode ver com os seus próprios olhos”, diz Abdul Aziz al-Kubeisi, que assistiu há 10 anos à queda da estátua de Saddam.

Na periferia da capital iraquiana os bairros são extremamente pobres, as redes de distribuição de água ou de eletricidade são praticamente inexistentes. No bairro de al-Rasul, parte da população vive do que consegue encontrar na lixeira local.