Última hora

Última hora

Eurogrupo reitera oferta depois dos deputados cipriotas rejeitarem imposto sobre depósitos bancários

Em leitura:

Eurogrupo reitera oferta depois dos deputados cipriotas rejeitarem imposto sobre depósitos bancários

Tamanho do texto Aa Aa

Explosão de alegria no exterior do parlamento cipriota, em Nicósia, depois da rejeição da taxa extraordinária sobre os depósitos bancários, imposta pelo plano de resgate europeu.

Enquanto milhares de cipriotas celebravam, a Zona Euro via-se novamente mergulhada numa crise de consequências incertas.

Em Nicósia, uma manifestante diz que Chipre serve como “um exemplo forte para países como a Grécia, a Itália ou a Espanha. O povo pode resistir”.

O imposto extraordinário foi rejeitado por 36 deputados e contou com a abstenção dos 19 representantes da formação do presidente Nicos Anastasiades. Ninguém votou a favor. O chefe de Estado vai receber hoje todos os líderes partidários.

O presidente do Eurogrupo frisou que a oferta de assistência de 10 mil milhões de euros continua em cima da mesa.

Jeroen Dijsselbloem reagiu ao voto no parlamento cipriota dizendo que “é uma desilusão, mas é claro que a proposta da Zona Euro e do Eurogrupo a Chipre mantém-se”.

O ministro cipriota das Finanças chegou a Moscovo, oficialmente para debater as condições de reembolso do empréstimo de dois mil e quinhentos milhões de euros feito em 2011 pela Rússia. O Kremlin está preocupado com a eventual adopção de um imposto extraordinário que afetaria as fortunas russas depositadas em Chipre.