Última hora

Última hora

Contenção e resignação dos cipriotas

Em leitura:

Contenção e resignação dos cipriotas

Tamanho do texto Aa Aa

O vaivem de pessoas pelas caixas automáticas de Chipre continua. A população debate-se entre a preocupação e a esperança de que se encontre uma saída para a crise.

Os comerciantes já notam a hesitação dos clientes quando chega a hora de optar pela compra:

“Toda a gente está a tentar conservar dinheiro líquido e ninguém quer comprar, resta-nos ficar à espera. Estão todos numa correria para as caixas, para retirar o dinheiro indispensável para sobreviver à espera de ver o que sucede”

O proprietário de uma bomba de gasolina diz que o pior está para vir:

“O verdadeiro problema vai aparecer na próxima semana. Em qualquer país onde se encerrem os bancos numa semana, duas semanas, a bancarrota é garantida.”

Os jornais vão-se vendendo, pois os cipriotas precisam de acompanhar o evoluir da situação. Alguns, como um advogado entrevistado, estão dispostos a contribuir para a salvação da ilha:

“Estamos dispostos a contribuir, até com o nosso próprio dinheiro, para salvar a economia nacional, porque de outra forma, tudo colapsa.”

Enquanto a realidade não permite o otimismo, resta aos cipriotas resignarem-se.