Última hora

Última hora

Galileo: uma constelação de satélites operacional

Em leitura:

Galileo: uma constelação de satélites operacional

Tamanho do texto Aa Aa

O sonho da União Europeia, de uma constelação de satélites que fornecem um sistema de navegação independente torna-se cada vez mais uma realidade.

Os quatro satélites atualmente em órbita da Terra estão a transmitir as primeiras mensagens de navegação. O serviço plenamente operacional deve estar disponível em 2019, alguns anos mais tarde do que o inicialmente previsto. Os custos também aumentaram, mas os cientistas continuam otimistas.

Didier Faivre, Diretor de Sistemas de Navegação, Agência Espacial Europeia: “Pela primeira vez fizemos o primeiro posicionamento usando meios unicamente europeus: os quatro satélites do Galileo lançados em 2011 e 2012 e uma rede de estações terrestres. Claro que é menos espetacular do que um lançamento, mas para nós, é igualmente importante. Pela primeira vez que sabemos que Galileo funciona e estamos muito confiantes para a plena implantação.”

O sistema, como está neste momento, representa a infraestrutura definitiva e passa agora por uma fase de validação em órbita, para verificar se o projeto está funcionar como o esperado. O sistema totalmente implantado será composto por 30 satélites com uma infraestrutura terrestre associada.

Javier Benedicto; Gestor do projeto Galileo, Agência Espacial Europeia: “Fomos capazes de medir o desempenho de precisão numa escala de 10 metros. Claro que não é o nível de desempenho que queremos alcançar no futuro, ainda não é suficiente. Mas, no futuro, esse desempenho será melhorado gradualmente com a implantação de mais satélites e estações terrestres. Vamos também divulgar a informação adicional aos utilizadores, não podemos produzir hoje porque precisamos completar o sistema.”

Se tudo funcionar como o previsto, o sistema de navegação por satélite, desenvolvido na Europa, vai proporcionar um serviço de alta precisão.