Última hora

Última hora

Estudantes cipriotas protestam contra acordo com a "troika"

Em leitura:

Estudantes cipriotas protestam contra acordo com a "troika"

Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de 3 mil estudantes do ensino secundário marcharam, esta terça-feira, pelas ruas de Nicósia, contra o acordo de resgate de Chipre e contra as medidas de austeridade que se avizinham. Os estudantes receiam que o pacto com a “troika” lhes hipoteque o futuro.

Um estudante afirma que “obviamente muitos dos nossos pais vão perder o emprego, todos vamos perder rendimento. Alguns de nós vão ter dificuldades em continuar a estudar e ir para a universidade.”

“Eles deitaram fora os nossos sonhos, tudo aquilo por que trabalhei, tudo o que conseguimos até agora, o que nossos pais conseguiram. Basicamente, eles estão a derrubar o país só porque querem,” assegura este jovem cipriota.

O acordo prevê uma ampla reestruturação do setor bancário. As autoridades cipriotas vão assinar com a “troika”, nas próximas semanas, um protocolo de acordo que prevê reformas estruturais, privatizações e um aumento dos impostos sobre as empresas, entre os 10 e os 12,5 por cento.

O resgate aos bancos de Chipre


  • O resgate vai implicar uma reestruturação importante do setor bancário de Chipre.

  • O segundo maior banco do país, o Laiki, vai ser dividido em dois – com uma nova instituição a ficar com os “ativos tóxicos” – e, de seguida, desmantelado.

  • Os depósitos inferiores a 100 mil euros, que estão garantidos pelas leis europeias, vão ser transferidos para o Banco de Chipre, o maior do país.

  • Os depósitos superiores a 100 mil euros, que não estão garantidos, vão ser transferidos para a instituição criada para absorver os ‘ativos tóxicos’, com perdas significativas para depositantes e acionistas em resultado do processo de liquidação do banco Laiki.

  • Os depósitos na instituição que vai gerir a massa falida – e os superiores a 100 mil euros no Banco de Chipre – vão ser congelados e utilizados para pagar as dívidas do Laiki e para recapitalizar o Banco de Chipre. As perdas para estes depositantes podem atingir os 40%, segundo algumas fontes.