Última hora

Última hora

Campanha eleitoral na Venezuela

Em leitura:

Campanha eleitoral na Venezuela

Tamanho do texto Aa Aa

Arrancou hoje a campanha oficial na Venezuela para eleger o sucessor de Hugo Chávez, a 14 de abril. A figura do ex-presidente domina o combate político que, de facto, começado no mesmo dia da sua morte, a 5 de março.

A imagem dele está omnipresente e as qualidades aumentam com o passar dos dias… muitos já o elevaram a Santo sem passar pelos pesados processos do Vaticano…

A “fiel” Elizabeth Torres, guarda da improvisada capela confirma:

“É verdade, sim. Ele é o nosso Cristo, o nosso santo, é tudo para nós.”

O sucessor e candidato presidencial, Nicolás Maduro, cultiva, sem reserva, o culto à personalidade de proporções bíblicas em torno de Hugo Chávez.

Nicolas Maduro, presidente em exercício:

“A janela do palácio de Miraflores está precisamente na direção da porta do Túmulo. É como se Chavez estivesse de chicote na mão, a zelar pelo governo do país nos próximos 500 anos.”

O candidato da oposição, Henrique Caprilles, está 10 a 20 pontos atrás nas sondagens, mas não renuncia à campanha. Considera a Maduro uma “cópia de má qualidade” de Chávez e tenta recentrar o debate político.

Henrique Capriles:

“Trata-se de resolver os problemas, a violência, a pobreza, o desemprego, os problemas da desvalorização monetária… todo o lote de problemas, é o que temos de enfrentar.”

Independentemente de quem ganhar a presidência, a Venezuela vai ter de resolver as grandes preocupações dos venezuelanos, como a penúria de certos produtos básicos, como explica um cidadão de Caracas:

“Falta açúcar, leite, frango, pão, farinha, carne…”

A insegurança também é um problema muito grave: ninguém se atreve a sair quando anoitece e os comerciantes antecipam o encerramento dos estabelecimentos .

“Temos de fechar mais cedo porque há muitos roubos, e não nos roubam, apenas, ferem as pessoas, matam. “

O parque habitacional está degradado, até nos melhores bairros de Caracas, onde muitos prédios estão desabitados ou inacabados.
Também há lixo a mais na cidade e graves problemas de infraestruturas.