Última hora

Última hora

Conhecimento espacial enriquece a pouco e pouco

Em leitura:

Conhecimento espacial enriquece a pouco e pouco

Tamanho do texto Aa Aa

Experiência espacial que procura matéria escura anuncia primeiros resultados.

AMS – Espectrómetro Magnético Alfa – é um detector de partículas instalado a bordo da Estação Espacial Internacional para analisar os raios cósmicos antes de eles interagirem com a atmosfera terrestre. Sem o AMS as partículas não são visíveis.

“Estou convicto de que teremos tempo suficiente, até pela duração de vida da Estação Espacial Internacional, para resolver todo o mistério”, afirma Samuel Ting, Prémio Nobel da Física em 1976 pela descoberta de uma partícula subatómica, que se recusa a especular.

Os raios cósmicos viajam por todo o Universo – e há uns 20 anos que um excesso de antimatéria foi observado neste fluxo de partículas de alta energia. Mas, até agora, ninguém conseguiu explicar a origem do excesso.

“Um dos garndes mistérios do cosmos é o que nos faz ser como somos. Que substância misteriosa é essa que mantem o Universo? Nos últimos 80 anos, a teoria chamava-se matéria negra. Não podemos vê-la mas sabemos que está lá”, avan4a Seth Borestein, especialista em ciência da Assiciated Press.

Esta matéria corresponde a cerca de um quarto do universo. As galáxias, por exemplo, não se podiam movimentar da forma como o fazem, com o formato que têm, sem a existência dessa matéria.