Última hora

Última hora

Impasse no Montenegro

Em leitura:

Impasse no Montenegro

Tamanho do texto Aa Aa

A crise política está aberta no Montenegro. Um dia depois das eleições e sem que a comissão eleitoral tenha ainda divulgado os números finais, ambos os candidatos às presidenciais clamam a vitória: de um lado, o presidente em exercício Filip Vujanovic, que dirige o país desde 2003, do outro o adversário Miodrag Lekic.

Vujanovic procura um terceiro mandato. Tornou-se presidente ainda quando a República fazia parte da Sérvia-Montenegro e foi reeleito em 2008, dois anos depois da independência. Diz que ganhou com 51% dos votos. O adversário, sem citar números, diz que foi ele o mais votado, com 97% dos votos contados.

No Montenegro, o Presidente é uma figura quase simbólica, mas uma vitória de Lekic vai causar uma coabitação até agora inédita, já que o país é dirigido pelo governo de Milo Djukanovic, do Partido Socialista Democrático, tal como o atual presidente. Este partido dirige o Montenegro há vinte anos.

A Organização para a Segurança e Cooperação Europeia (OSCE) pediu maturidade política aos dois candidatos e que respeitem os resultados que vierem a ser apresentados pela comissão eleitoral.