Última hora

Última hora

Maduro trabalha emoção do eleitorado venezuelano "em nome de Chávez"

Em leitura:

Maduro trabalha emoção do eleitorado venezuelano "em nome de Chávez"

Maduro trabalha emoção do eleitorado venezuelano "em nome de Chávez"
Tamanho do texto Aa Aa

Um fiel entre os fiéis para continuar a obra de Hugo Chávez. Recém cumpridos os 50 anos, Nicolás Maduro apresenta-se como herdeiro do “chavismo”, o líder que vai prolongar e aprofundar o “socialismo do século XXI na Venezuela do pós-Chávez. Entrou na política há 13 anos, e, além de condutor de autocarros foi líder sindical dos trabalhadores do Metroplitano e é casado com a presidente da Assembleia Nacional. A estratégia da campanha eleitoral centra-se no aproveitamento da emoção desencadeada pelo desaparecimento do carismático mentor, como ele próprio assume:

“Estou a cumprir a sua ordem, com o grande amor que ele cultivou em nosso coração. Não sou Chávez, mas sou seu filho, e todos juntos, o povo, somos Chávez.”

Nicolás Maduro era o homem de confiança de Hugo Chávez. Sempre a seu lado, durante 20 anos, nos momentos mais difíceis da doença foi Maduro quem se encarregou de informar os venezuelanos sobre o estado de saúde do presidente.

No dia 10 de outubro de 2012, esta lealdade foi recompensada: Hugo Chávez nomeou-o vice-presidente, quando foi reeleito e pediu os aplausos:

“Gostaria que aplaudissem calorosamente o novo presidente Nicolas Maduro…”

Uma confiança reforçada poucas semanas depois: no dia 9 de dezembro antes de partir para Cuba, onde realizou a última batalha contra o cancro, Hugo Chávez designou-o herdeiro e sucessor:

“A minha opinião firme, plena como a lua cheia, irrevogável, absoluta, total, é que vocês elejam Nicolás Maduro como presidente da República Bolivariana da Venezuela. Eu vos peço do fundo do coração.”

Ao longo da campanha, Nicolás Maduro imitou o estilo Chávez, a tal ponto que o adversário lhe chama “cópia de má qualidade de Chávez”. Mas nada trava o misticismo do auto declarado apóstolo:

Nicolas Maduro, no seu primeiro dia de campanha eleitoral:

“Um passarinho olhou para mim e assobiou…fez piu prrr…pio… assobiou e eu também lhe respondi ao apito piu prrr pio. E o passarito voou, deu uma volta e foi embora… e eu senti que ali estava o espírito e a benção do comandante Hugo Chávez .”

E para os mais jovens, uma canção melosa com um refrão fácil que acaba com a voz de Chávez a pedir a todos que votem por Maduro “pelo meu coração”.