Última hora

Última hora

Fim da campanha para a sucessão de Chávez na Venezuela

Em leitura:

Fim da campanha para a sucessão de Chávez na Venezuela

Tamanho do texto Aa Aa

Comícios multitudinários marcaram o fim da campanha relâmpago para as presidenciais do próximo domingo na Venezuela.

O chefe de Estado interino, Nicolas Maduro, apresentou-se mais uma vez como o herdeiro designado de Hugo Chávez e único garante da continuidade do Estado bolivariano promovido pelo líder venezuelano falecido a 5 de Março.

Às dezenas de milhares de apoiantes reunidos na maior avenida de Caracas, Maduro, perguntou garantiu que está “confiante na vitória e preparado para ser o presidente [da Venezuela] nos próximos seis anos”.

O ex-chefe da diplomacia de Chávez é creditado com uma vantagem de 10 pontos nas sondagens, face ao rival, Henrique Capriles, o governador do Estado de Miranda, derrotado pelo falecido presidente nas eleições de Outubro do ano passado.

Apoiado nos números da criminalidade recorde – com 16 mil homicídios registados no país em 2012 – Capriles pediu aos venezuelanos para “votarem no domingo para derrotar a violência”.

Capriles acusa Maduro de se esconder na sombra de Chávez, que responsabiliza pela insegurança e pela pobreza que afeta cerca de 30 por cento dos 29 milhões de habitantes do país.