Última hora

Última hora

Explosões nos Estados Unidos: coincidências alarmantes

Em leitura:

Explosões nos Estados Unidos: coincidências alarmantes

Tamanho do texto Aa Aa

A explosão que destruiu uma fábrica de fertilizantes químicos e quase uma centena de casas em redor, incluído as residências de West, chama a atenção pelo número de coincidências:

Para começar, o lugar dos factos. A localidade texana está situada a 32 km a norte da cidade de Waco, tristemente célebre por ser o lugar onde morreram 82 pessoas no assalto das forças de segurança a ums quinta que servia de sede à seita dos davidianos, suspeita de esconder armas ilegais.
Em fevereiro de 1993, a Agência Federal de Álcool, Fumo, Armas e Explosivos apresentou-se com uma ordem de registo. A situação degenerou e, depois de 51 dias de cerco, o FBI irrompeu no terreno, e desencadeou-se um incêndio. No total, morreram 61 adultos e 21 crianças.

O segundo elemento que chama a atenção é a data. Esta sexta-feira cumprem-se precisamente 20 anos de aniversário da tragédia de Waco e 18 anos do atentado de Oklahoma. No dia 19 de abril de 95, em resposta ao trágico desfecho de Waco, Timothy Weight, um radical de direita contra a proibição das armas de fogo, detonou uma viatura cheia de explosivos junto do edifício da Agência Federal de Álcool, Fumo, Armas e Explosivos e do FBI em Oklahoma. Provocou 168 mortos, 19 deles crianças, e mais de 700 feridos.

Por último, o contexto: tanto em 1993 como em 2013, dois presidentes democratas fizeram o que podiam para reforçar o controlo sobre a posse de armas de fogo e depararam-se com a feroz oposição dos grupos de pressão dos fabricantes e proprietários de armas de fogo.

Em fevereiro do 93 iniciou-se o debate sobre a chamada lei Brady, que Bill Clinton defendeu contra os ‘lobbys’ da Associação Nacional do Rifle e conseguiu ver aprovada no final desse mesmo ano. A partir de então, os revendedores de armas autorizados verificam os antecendentes criminais e psiquiátricos do cliente.

Agora, 20 anos depois, Obama tenta ir um pouco mais longe e ampliar os controlos das vendas de armas nas feiras e através da internet e enfrenta o imobilismo da classe política. Depois do voto negativo no Senado declarou:

Barack Obama. Presidente de Estados Unidos:

“Este é um dia vergonhoso para Washington, mas o esforço não termina aqui. Quero deixar claro aos norte-americanos que ainda podemos contribuir para mudanças significativas para reduzir a violência das armas.”

Poucas horas depois, dava-se a explosão em West.