Última hora

Última hora

Os desafios da economia russa

Em leitura:

Os desafios da economia russa

Tamanho do texto Aa Aa

Porque é que a economia russa está a desacelerar e o que é que a Rússia pode fazer para inverter a tendência? As questões dominaram o Fórum internacional Rússia 2013.

Na última década, Moscovo têm evocado a diversificação da economia, mas o setor energético representa ainda metade das receitas públicas. Devido à crise na Europa, o principal parceiro comercial, a Rússia cresceu cerca de 1% no primeiro trimestre.

Jean Michel Six, economista da Standard&Poor’s, explica que “quando as matérias-primas e, em particular, o preço do gás e do petróleo, tendem a baixar isso tem um impacto evidente na economia russa. É nessa altura, que ressurgem os problemas estruturais, a falta de diversificação”.

O governo russo alerta para os riscos de recessão e tem pressionado o banco central a agir. Mas a margem de manobra é limitada, tendo em conta a elevada inflação.

Para Ruben Vardanyan, vice-diretor da divisão de investimento do Sberbank, o maior banco do país, os dados do primeiro trimestre devem servir de alerta: “É importante fazer um bom diagnóstico. É reconfortante para os investidores quando o governo tem uma boa avaliação da situação do país e toma as medidas necessárias para mudar. Penso que o sinal de alarme ouvido no primeiro trimestre é um bom ponto de partida para implementar contramedidas”.

Corrupção, fragilidades do Estado de direito e más infraestruturas: os problemas da economia russa são conhecidos e fizeram o país descer de 112° para 120° lugar na lista do Banco Mundial de países para fazer negócios.

Segundo Natalia Marshalkovich, enviada da euronews a Moscovo, “a Rússia ainda é um grande mercado muito rico em recursos naturais, mas os preços elevados das matérias-primas já não escondem os problemas estruturais. Isso está a ter um impato nas prioridades dos investidores”.