Última hora

Última hora

Maratonas de Londres e Belém solidárias com vítimas de Boston

Em leitura:

Maratonas de Londres e Belém solidárias com vítimas de Boston

Tamanho do texto Aa Aa

Trinta segundos de silêncio, laços negros e segurança reforçada em Londres. Depois dos atentados de Boston, o mundo do desporto mostra a sua solidariedade com as vítimas, ao mesmo tempo que as autoridades policiais consideram as competições desportivas como manifestações de alto risco.

Ao longo dos 42 quilómetros do percurso da maratona da capital britânica, mais 40% de presença policial para vigiar os espetadores, com cães polícia e a retirada de todos os caixotes do lixo como medida preventiva, mas também uma participação em alta por parte dos atletas.

A competição decorreu sem incidentes, vencida pelo atleta etíope Tsegaye Kebede.

Uma participante, não esconde um certo receio, “mas a minha filha insistiu, se tivesse dito que não queria eu não tinha vindo, mas insistiu para que participássemos antes de mais para manifestar a nossa solidariedade”.

Outro participante afirma, “O que aconteceu em Boston deu-me mais vontade de participar, para correr em nome da população de Boston, tenho amigos na cidade que participaram na maratona de segunda-feira, se estou aqui é para dizer que estou com eles”.

Em Belém, na Cisjordânia, cerca de 400 atletas participaram na primeira maratona realizada no território palestiniano. Uma competição solidária com Boston, mas também para alertar a comunidade internacional para a questão dos campos de refugiados na região, incluídos no percurso da competição.

Um participante afirma, “quando vi nas notícias do que se passou em Boston, senti-me profundamente triste com a morte do Martin de 8 anos de idade, foi por isso que quis correr com esta t-shirt, para que o Martin me possa acompanhar ao longo desta corrida, aqui está a sua fotografia com esta mensagem, ‘não queremos mais vítimas’”.

Israel proibiu que 26 corredores originários da faixa de Gaza participassem na competição. Uma prova de que, para lá dos 42km da corrida, vencida por um palestiniano de Jericó, resta ainda uma longa maratona negocial para que os dois campos possam um dia atingir a meta da paz no território.