Última hora

Última hora

Em leitura:

Energia eficiente por baixo dos nossos pés


futuris

Energia eficiente por baixo dos nossos pés

Mesmo por baixo dos nossos pés está uma fonte de energia eficiente. É isso que a Fábrica do Sol nos prova. Trata-se de um velho edifício em Barcelona, renovado há uns anos, transformado no perfeito exemplo de energia eficiente. O edifício utiliza energia geotérmica vertical associada a um sistema de ar-condicionado que aquece no inverno e refresca no verão. E não precisa de ter nenhum vulcão por perto.

Aniol Esquerra Alsius, Engenheiro Industrial, exlica este projeto: “Normalmente, quando se pensa em recuperar calor do subsolo para aquecer a casa, para ser usado como aquecimento, não necessitamos de ter um vulcão junto aos nossos pés. Utilizamos um outro sistema, que requer uma profundidade de apenas 100 metros, e é mais barato, e implica termos uma bomba de calor que usamos como se de um sistema de ar condicionado se tratasse. Podemos usar esta inércia térmica que existe no solo, a uma temperatura constante, para conseguirmos uma fonte térmica muito mais eficiente.

E uma bomba de calor faz quase todo o trabalho. Sete tubos gigantes são colocados no subsolo. Uma máquina geotérmica potente injeta água fria nos tubos que devolvem calor do subsolo, que entra na máquina, que por sua vez transfere o calor para o circuito de distribuição no solo ou nas unidades independentes. É um circuito fechado de água, que transporta calor ou frio.

Para Dimitrios Mendrinos, engenheiro coordenador do Centro para Recursos de Energias Renováveis do projeto Ground-Med: “Ground-Med utiliza tecnologia de bombas de calor que produzem uma energia útil ao edifício de eficácia número 5, ou seja, a energia produzida é cinco vezes superior à energia consumida.”

Fomos até França, onde as bombas de calor são produzidas. Trata-se de um projeto de investigação europeu que desenvolve bombas capazes de uma eficácia de nível 5, o que significa que por cada 1 kw de electricidade, a bomba devolve 5 kw.

Nesta fábrica francesa foi produzida a bomba de calor usada em Barcelona. Em termos de custos, estas bombas são mais caras, custam mais ou menos 10 mil euros para uma casa individual, mas pode ser aplicada a qualquer edifício, e até a casas antigas.

Frédéric Bruyère, Gestor de sistemas de desenvolvimento: “É verdade que a energia geotérmica vertical tem um ponto fraco. A sua instalação, porque além da máquina, temos de perfurar o solo, um dos pontos mais delicados. Mas não há dúvida de que com o aumento da produção geotérmica, os custos vão diminuir no futuro.”

A Fábrica do Sol também explora a energia solar. painéis fotovoltaicos e um sistema de fibra óptima são suficientes para inundar um quarto com luz.

A bomba de calor fornece um terço da energia necessária ao edifício. O sistema de aquecimento através da biomassa outro terço. O painel fotovoltaico fornece o último terço, e as plantas são usadas para refrescar o edifício.

Para Aniol Esquerra Alsius, outro gestor do projeto da Ground-med: “O objetivo da Fábrico do Sol é educar, mostrar às pessoas dando o exemplo. Nós acreditamos nisto. Temos o Sol, a biomassa, a geotermia. E quando podemos mostrar como funcionam, as pessoas acreditam mais.”

A caminha europeia rumo à otimização da energia geotérmica vertical não se fica por Barcelona. Sete centros de demonstração existem em França, Italia, Grécia e Roménia.

Escolhas do editor

Artigo seguinte
UE desenvolve sistema de resposta rápida aos acidentes

futuris

UE desenvolve sistema de resposta rápida aos acidentes