Última hora

Última hora

Letta vai ter de formar governo de salvação nacional

Em leitura:

Letta vai ter de formar governo de salvação nacional

Tamanho do texto Aa Aa

O responsável pela formação do próximo governo, chegou, esta quarta-feira, ao Palácio do Quirinal em viatura própria, a mesma em que levou os três filhos à escola.

Enrico Letta, tem 46 anos mas uma longa experiência política: já foi deputado, eurodeputado e ministro de vários governos. É moderado e até foi líder da Juventude Democrata-Cristã, o que pode favorecer a criação de uma plataforma de medidas e nomes para o governo.

A aliança liderada pelo PD venceu as eleições de fevereiro, mas sem maioria nas duas câmaras do Parlamento, imprescindível para formar um novo executivo. Ajudar as pequenas e médias empresas e reformar as instituições políticas são as prioridades que Letta indicou, para um país que considera estar em situação “difícil e frágil”.

Logo a seguir às eleições, Letta defendeu a união pelo trabalho e eficácia:

- A credibilidade dos políticos desapareceu por causa dos escândalos, dos problemas que tivemos nos últimos anos. A credibilidade dos políticos actualmente está sujeita à qualidade das respostas que saibamos dar, porque até agora as respostas não foram suficientemente fortes.

Letta sabe do que fala. Em 1991, com 25 anos, já era presidente da Juventude Europeia Democrata Cristã.

Com 32 anos foi nomeado ministro de políticas europeias no primeiro governo de Romano Prodi. Depois D’Alema confiou-lhe a pasta da Indústria. Em 2004, quando ainda não tinha chegado aos 40, foi eleito eurodeputado.

Letta vai começar imediatamente as consultas na Câmara dos Deputados para recolher o apoio necessário para governa. Excetuando o movimento Cinco Estrelas de Beppe Grillo e algumas pequenas formações, os grandes partidos mostram-se favoráveis a um novo executivo liderado por ele.

No entanto, Letta não vai formar um governo a qualquer preço. Vai ser muito exigente porque, como ele próprio constatou, “os italianos não podem mais com os joguinhos da política.”