Última hora

Última hora

Bilhete de ida para Marte

Em leitura:

Bilhete de ida para Marte

Tamanho do texto Aa Aa

À primeira vista não parece o melhor emprego do mundo: voar para Marte e nunca mais voltar. Mas a fundação holandesa Mars One acaba de lançar um convite aberto para astronautas voluntários. O plano é enviar quatro pessoas para Marte em 2023, numa viagem só de ida.

Bas Lansdorp, CEO da Mars One: “Hoje, a fundação Mars One começa a busca por habitantes de Marte. A busca por pessoas de todas as nações, que se queiram estabelecer em Marte.”

O maior obstáculo pode ser a fatura, a rondar os 4 mil milhões de euros. O projeto tem de se auto financiar e o processo de seleção será semelhante aos “reality shows”.

Bas Lansdorp: “Os nossos especialistas vão determinar quem é bom o suficiente e quem não é. Depois disso, quando tivermos um grande grupo de pessoas boas o suficiente para ir a Marte, vamos pedir ao público para nos ajudar, num processo democrático, para decidir quem vai . Porque sentimos que esta é uma eleição mais importante do que as presidenciais.”

Stephan Günther é um alemão de 44 anos e um dos primeiros candidatos.

Stephan Günther, voluntário: “Fisicamente e mentalmente estou na melhor forma, pronto para ir. O que ainda não está muito claro para mim é a forma como o processo de seleção vai funcionar. Isso depende de vários fatores. Tenho esperança, as minhas opções são boas.”

A Mars One espera pelo menos um milhão de candidaturas de pessoas de todo o mundo.

Adam Baker, Professor de Engenharia Espacial, Universidade de Kingston: “Enviar pessoas para lá com suporte de vida, comida, ar, com tudo o que vão precisar, livros, entretenimento, meios de comunicação e meios para providenciar os seus próprios recursos para uma estadia em Marte, isso ainda é mais desafiador, do que o tamanho dos foguetes que são precisos, seria colossal”.

Sem mencionar o problema ético de exilar pessoas no espaço, a 225 milhões de Km da Terra.