Última hora

Última hora

UE proíbe três pesticidas que matam as abelhas

Em leitura:

UE proíbe três pesticidas que matam as abelhas

Tamanho do texto Aa Aa

Três pesticidas vão ser proibidos na União Europeia devido às evidências científicas de que causam a morte das abelhas. Portugal foi um dos países que votou contra, mas a proposta acabou por ter o apoio de 15 dos 27 estados-membros.

“A decisão formal será adotada dentro de algumas semanas porque temos de traduzir o texto. Mas com a decisão política de hoje, a restrição do uso destas substâncias entrará em vigor a partir de 1 de dezembro”, explicou o porta-voz da Comissão Europeia, Roger Waite.

A proibição destes pesticidas, conhecidos por neonicotinóides, será temporária já que a Comissão Europeia se propõe a rever a decisão dentro de dois anos.

Durante uma manifestação da associação Avaaz, em Bruxelas, a apicultora Hélène Kufferath explicou que “os danos são terríveis, porque estes pesticidas afectam os neurotransmissores da abelhas e elas deixam de conseguir encontrar as colmeias. Perdem-se e morrem”.

Também satisfeita está a organização ambientalista Greenpeace, que ainda quer ir mais longe.

“Num relatório científico recente, identificámos sete substâncias que colocam problemas muito sérios para as abelhas e outros insetos polinizadores. Gostaríamos que a Comissão não agisse apenas contra os neonicotinóides, mas que também tivesse em conta as evidências científicas de que outras substâncias são tão tóxicas como estas que serão banidas em breve”, afirmou Marco Contiero.

Os pesticidas agora proibidos são produzido principalmente pela
Bayer (Alemanha) e Syngenta (Suíça). Estes fabricantes e alguns cientistas dizem que não foi comprovada a ligação entre o uso de neonicotinóides e um acentuado declínio no número de abelhas na Europa nos últimos anos – um fenómeno conhecido como “desordem de colapso da colónia”.

Mas a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos considerou que os riscos existem e foi nessa base que a Comissão Europeia elaborou a proposta de proibição, agora aprovada pelos estados-membros.

A proibição do uso de neonicotinóides aplica-se em todas as culturas, exceto cereais de Inverno e plantas não atraentes para as abelhas,
tais como a beterraba açucareira.