Última hora

Última hora

Ruas de Amesterdão festejam novo rei

Em leitura:

Ruas de Amesterdão festejam novo rei

Tamanho do texto Aa Aa

O ambiente festivo invadiu as ruas de Amesterdão. Holandeses e turistas celebraram em conjunto a passagem de testemunho no trono, em tons vivos de laranja.

Esta jovem diz-se “excitada” e acrescenta que “gosta do novo rei”.

Outra diz que, para os holandeses, “nada mudou”, mas está “contente pela chegada do novo rei”.

“É maravilhoso”, diz outra, vestida a rigor.

Um jovem afirma que “agora, [os holandeses] não têm simplesmente uma rainha, mas também um rei. É uma ótima experiência”.

Outra diz que “não muda” nada ter um rei em vez de uma rainha, “pois são ambos da mesma família, mas a festa continua e isso é sempre bom”.

Os turistas argentinos celebram especialmente a ascensão da compatriota Máxima Zorreguieta ao título de rainha-consorte.

Esta mulher diz que “é um momento histórico que não podia perder. É preciso apoiá-la”.

Outro argentino diz que, como o seu país “não tem experiência com monarquias constitucionais”, celebra “desta forma livre”, acrescentando que “Amesterdão se presta especialmente às celebrações”.

Mas se a maioria festeja, também há quem proteste… Um manifestante republicano aproveitou a ocasião para exigir um chefe de Estado eleito. Defende que “o movimento republicano está a avançar e já representa cerca de 20 por cento da população holandesa. A sua voz é ouvida, a situação é diferente de há alguns anos”.

O correspondente da euronews, Olaf Bruns, sublinha que “para a monarquia holandesa, é importante a proximidade com o povo. Mesmo o título ‘Majestade’, foi praticamente abolido. Guilherme Alexandre disse recentemente numa entrevista que todos deviam chamar-lhe o que quisessem, pois ele não é um ‘fetichista’ do protocolo”.