Última hora

Última hora

O futebol europeu fala alemão

Em leitura:

O futebol europeu fala alemão

Tamanho do texto Aa Aa

Pela primeira vez na história, duas equipas alemãs atingiram a final da Liga dos Campeões. Bayern de Munique e Borussia Dortmund dominaram não só na Bundesliga mas também na Europa esta temporada. A final será jogada a 25 de maio no Estádio de Wembley, em Londres. Será este sucesso obra do acaso ou os alemães preparam-se para dominar o futebol europeu nos próximos anos?

Vistos como dois clubes profundamente distintos, não deixam de existir dois pontos em comum entre Bayern e Borussia e que acabam por estar na base do sucesso: uma invejável saúde financeira e uma espinha dorsal formada no próprio clube. Em vez de copiar os modelos dominantes no estrangeiro, os alemães chegaram ao topo pelas próprias mãos.

Para percebermos como o fizeram, falámos com o especialista em futebol alemão Tobi Fischbeck.

euronews: Duas equipas alemãs na final da Liga dos campeões. Um sucesso destes não acontece por acaso, como se explica?

Tobi Fischbeck: Os dirigentes da Bundesliga e também da segunda e terceira divisão do futebol alemão estão todos de acordo. Não chega ter apenas uma estrela na equipa, como o Cristiano Ronaldo. Então mudaram de atitude.

Há alguns anos vários clubes fizeram um forte investimento no futebol jovem, em novas academias, na esperança de terem eles próprios, mais cedo ou mais tarde, mais que um Cristiano Ronaldo na equipa.

Agora esses investimentos começam a dar frutos e levou apenas um par de anos. A Bundesliga não era a melhor liga europeia mas de momento podemos ver o sucesso desta medida e os seus clubes podem competir ao mais alto nível na Europa.

euronews: O Borussia e o Bayern apresentam duas formas de jogar futebol completamente diferentes. O que distingue as duas equipas?

Tobi Fischbeck: É tudo uma questão de dinheiro, sem dúvida. O Bayern é enorme e por comparação, o Borussia ainda é pequeno. O Bayern tem um plantel extenso e mesmo os jogadores no banco de suplentes são de alta qualidade. No Borussia não. Vi o Bayern jogar várias vezes esta temporada e é inacreditável. Mesmo se o onze base não estiver, podem derrotar qualquer equipa e podem fazê-lo por 4-0 ou mais.

O Dortmund não é tão forte. Por vezes têm de ir buscar jogadores às camadas jovens ou comprar na segunda divisão. O Bayern está um passo à frente. Ganharam bastante dinheiro no passado e foram capazes de pagar mais de trinta milhões de euros por um jogador como o Götze. É esta a principal diferença.

euronews: A seleção alemã já tinha melhorado bastante o seu estilo de jogo. Agora acontece o mesmo com os clubes. É possível estabelecer um paralelismo?

Tobi Fischbeck: Claro! Isto acontece porque os jovens jogadores na Alemanha já estão aptos a competir ao mais alto nível. Vamos recuar quinze anos. Existiam vários jogadores de equipas pequenas que constituíam a base da equipa de esperanças. Hoje, o treinador dos sub-21, Rainer Adrion, tem um problema de abundância. Pode escolher mesmo jogadores como Reus, Götze, Schürle, e o ano passado mesmo Thomas Müller ou Toni Kroos. Qualquer um deles já na seleção A. O que quer dizer que já não os vai escolher mas ainda consegue encontrar outros jogadores e manter uma equipa competitiva.

euronews: Os clubes alemães investiram bastante dinheiro na formação nos últimos anos. Esse investimento começa a dar frutos?

Tobi Fischbeck: Certamente! Se olharmos para o ranking da UEFA dos últimos cinco anos a Alemanha está agora muito próxima da Inglaterra. E já ultrapassou a Itália. O futuro irá depender dos resultados mas estamos já bem perto de ultrapassar também a Inglaterra. Isto traduz-se numa grande vantagem que são três lugares garantidos na fase de grupos da Liga dos Campeões mais uma equipa no play-off de acesso. É fantástico e há que saber aproveitar.

euronews: Bayern e Borussia já se qualificaram facilmente para a próxima edição da Liga milionária. Podemos assistir novamente a um domínio alemão na Europa?

Tobi Fischbeck: É difícil dizer. Ambas as equipas irão mudar no verão. Por exemplo, o Mario Götze vai trocar Dortmund por Munique. Provavelmente podemos esperar mais uma grande campanha europeia do Bayern, é possível que tenham a sua melhor equipa de sempre. Talvez ainda melhor que nos tempos de Breitner, Beckenbauer, Gerd Müller e companhia. É impressionante olhar para o Bayern hoje em dia.

O Dortmund, em termos europeus, não é suficientemente estável, mesmo que se tenham desenvolvido bastante e aprendido muito com a experiência dos últimos anos. Quanto ao Bayern de Munique, também aprendeu da pior maneira com a derrota em casa na última final da Liga dos Campeões frente ao Chelsea. De qualquer forma, podemos assistir a uma evolução e esperamos que essa evolução continue.

euronews: Quem vai vencer a final de Wembley?

Tobi Fischbeck: É complicado apontar um vencedor, há muitas coisas que podem acontecer. Mas penso que será o Bayern a ganhar. São os favoritos, mas não podemos descartar já o Dortmund, têm uma equipa jovem e cheia de talento. Será uma final aberta.