Última hora

Última hora

Justiça pondera pedir pena de morte para Ariel Castro

Em leitura:

Justiça pondera pedir pena de morte para Ariel Castro

Tamanho do texto Aa Aa

A justiça norte-americana está a ponderar pedir a pena de morte para Ariel Castro, acusado de rapto e de violação das três jovens, libertadas na segunda-feira, após cerca de uma década de cativeiro e sevícias.

Cabisbaixo, Castro compareceu esta quinta-feira no tribunal de Cleveland que, numa audiência que durou menos de cinco minutos, decretou uma fiança de oito milhões de dólares para o acusado por causa do “horrível calvário” que as vítimas viveram.

O procurador do caso está a estudar a possibilidade de requerer a pena de morte para Ariel. Tendo em conta os factos, Timothy McGinty afirma que pretende acusar o réu por “cada um dos atos de violência sexual, violação, por cada dia de rapto, por todas as tentativas de assassinato e pelos homicídios qualificados que cometeu com os abortos que provocou às reféns durante uma década de sofrimento”.

Todos os dias são conhecidos mais pormenores escabrosos do calvário que as três jovens e uma criança, nascida durante o cativeiro, sofreram às mãos de Castro. Sem esconder o momento doloroso que atravessa, a mãe de Ariel afirmou que o seu “filho é doente” e pediu “perdão” às vítimas e às suas mães.

As mulheres, hoje com 32, 27 e 23 anos, foram libertadas na segunda-feira com a ajuda de um vizinho. Segundo um relatório da polícia, uma das vítimas declarou ter estado grávida pelo menos cinco vezes e que abortou por causa de maus tratos físicos e privação de alimentos. Michelle Knight, que continua hospitalizada, tem rejeitado visitas da família. Há 11 anos os familiares pensaram que a jovem tinha fugido de casa.