Última hora

Última hora

Paquistão: Medo da violência e um atentado marcam o dia de reflexão para as eleições gerais

Em leitura:

Paquistão: Medo da violência e um atentado marcam o dia de reflexão para as eleições gerais

Tamanho do texto Aa Aa

A expectativa e o receio de violência marcam o dia de reflexão para as eleições gerais de sábado no Paquistão.

Durante a campanha eleitoral registaram-se mais de 130 vítimas mortais em atentados maioritariamente reivindicados pelos talibãs.

Muitas das mulheres destacadas para as mesas de voto receiam pela vida.

“As mulheres das assembleias de voto estão assustadas com os talibãs. Muitas delas já recusaram estar presentes, porque têm medo. Que Alá nos proteja”, disse uma delas.

Apesar da forte presença do exército nas ruas, esta sexta-feira pelo menos quatro pessoas morreram e 15 ficaram feridas com o rebentamento de um motociclo carregado de explosivos no distrito de Waziristan do Norte, considerado um dos bastiões dos talibãs.

Nawaz Sharif, líder do Partido da Liga Muçulmana-N e antigo primeiro-ministro, é apresentado como favorito à vitória, mas terá que formar uma coligação com outros partidos para conseguir um governo estável.

Imran Khan, o líder do Movimento para a Justiça (PTI), sofreu um acidente durante um comício e encontra-se hospitalizado. Contudo, de acordo com as sondagens, o PTI poderá conseguir votos suficientes para ficar em posição de integrar uma coligação governamental.

No poder, o Partido Popular do Paquistão, da dinastia Bhutto, deverá sofrer as consequências de um grande desgaste político durante a legislatura que agora acaba.