Última hora

Última hora

Suécia exportou ilegalmente salmão contaminado com dioxina

Em leitura:

Suécia exportou ilegalmente salmão contaminado com dioxina

Tamanho do texto Aa Aa

É um escândalo alimentar bem mais grave para a saúde do que o da carne de cavalo: empresas suecas exportaram ilegalmente salmão contaminado com dioxinas para a União Europeia. Um documentário da televisão pública da Suécia revelou que centenas de toneladas de salmão contaminado com alto teor de dioxina foram exportados para vários países europeus, incluindo a França e a Dinamarca.

Na Suécia, os grossistas de peixe afirmam que a exportação “foi a única alternativa” porque “é impossível vender este salmão na Suécia”, ninguém o quer, referiu um vendedor.

A União Europeia proíbe, desde 2002, a exportação de salmão sueco do Mar Báltico por causa dos elevados níveis de dioxina, um composto orgânico altamente tóxico que pode provocar cancro e problemas reprodutivos.

A venda de salmão contaminado do Báltico está autorizada na Suécia, Finlândia e Letónia mas com recomendações de fortes restrições ao seu consumo em especial no caso de grávidas e crianças.

O salmão contaminado foi vendido principalmente em França e na Dinamarca mas terá chegado a outros países como o Reino Unido ou a Alemanha.