Última hora

Última hora

A mulher que enfrentou o assassino

Em leitura:

A mulher que enfrentou o assassino

Tamanho do texto Aa Aa

Logo após o crime, uma mulher arriscou a vida ao confrontar um dos homens e tentar mantê-lo calmo. Ingrid Loyau-Kennett, de 48 anos, seguia num autocarro quando viu o que tinha acontecido.

- “Bom, vi um homem na estrada que evidentemente estava ferido e um carro danificado. Por isso, pensei que se tratasse de um acidente rodoviário. Quando ali cheguei, estava uma mulher ao pé, e o homem mais excitado dizia: ‘não se chegue ao pé perto do corpo. Porque estava em baixo conseguia ver um revólver e uma faca do talho, um cutelo, sim era o que ele tinha. E estava cheio de sangue. O que é que se passou aqui, questionei-me. Bom, ele está muito excitado vou ter que falar com ele, pensei.

- Não lhe mexam, matei-o’, ele disse. ‘É um soldado britânico ele matou muçulmanos em países muçulmanos e não tem nada a fazer aqui’. Por isso eu tentei falar com ele sobre o que ele sentia.

- Não teve receio estando naquela situação?

- Não.

- Como não?

- Melhor eu do que uma criança, por que infelizmente havia cada vez mais mães a pararem por ali, daí ter sido cada vez mais importante falar com ele e perguntar o que é que ele queria.”