Última hora

Última hora

O novo Mariinsky nasceu para conquistar o mundo artístico

Em leitura:

O novo Mariinsky nasceu para conquistar o mundo artístico

Tamanho do texto Aa Aa

Foi uma gala que reuniu os grandes nomes russos da ópera e do ballet: a abertura do novo Teatro Mariinksy, em São Petesburgo. Esta ópera é apresentada como um dos projetos culturais mais ambiciosos do mundo e nasceu, sobretudo, graças à força de vontade de um maestro carismático, o diretor do teatro, Valery Gergiev.

“Temos agora uma ópera fantástica. Para os artistas mais jovens, isto representa uma oportunidade única para se poderem destacar não em dois, três anos, mas em três, quatro, cinco meses. Terão inúmeras hipóteses para brilhar. Haverá muitas performances para as bailarinas famosas, mais ainda para as mais jovens. Os iniciantes terão também mais oportunidades, assim como os cantores”, declara Gergiev.

Construído mesmo em frente ao antigo teatro, o novo Mariinsky foi concebido por um reputado gabinete de arquitetura canadiano, sob a orientação de Jack Diamond. Segundo o arquiteto, “esta é uma cidade histórica gigantesca, que reúne conjuntos consistentes de uma fabulosa arquitetura neoclássica; há dois contrastes extraordinários, entre a uniformidade das ruas e o exotismo das igrejas e catedrais. Eu não queria tornar-me no responsável por fraturar a consistência urbana de São Petesburgo, queria antes dar-lhe continuidade. E o que fizemos foi construir a nossa própria igreja: o auditório.”

Uma outra preocupação centrou o projeto de Diamond: tornar o público, também ele, um dos protagonistas. “É um edifício robusto, mas ao mesmo tempo jovial. Os acessos refletem a ideia de uma ocasião grandiosa. A extravagância das escadarias… Este é o palco dos espetadores, são eles os protagonistas durante os intervalos e os convívios. A arquitetura da entrada é completamente diferente: o foco está no palco, mas queria que as pessoas se sentissem tão confortáveis no auditório, como na sala da sua própria casa”, afirma.

Um dos primeiros convidados do complexo que acolhe a nova ópera é uma figura mítica que dispensa grandes introduções. Placido Domingo conta que “foram três dias de eventos um pouco por todo o lado. Tive a sorte de participar na gala de abertura do Mariinsky Dois, também estive no Mariinsky Três e cantei igualmente no antigo Mariinsky. Para mim, é uma grande honra, porque foram convidados muito poucos artistas estrangeiros.”

Outra honra, para Jack Diamond, foi a de trabalhar num país que lhe deu meios para traduzir a sua visão: “foi o governo central que financiou tudo isto. É muito inspirador encontrar um país que compreende a importância da herança cultural. Aquilo que nos distingue dos animais é a arte, é ela que permite a elevação do espírito humano. A Rússia compreende isso.”